Apu e o pássaro







Era uma vez um pássaro que nascera redondo. Saudades do ovo, diziam as gralhas. Improvável a quilha, afiançavam as águias. E logo se esqueceram dele.
Como o pássaro não sabia que era redondo e desconhecia a linguagem das águias, foi crescendo pelo rasteiro das ervas e dos caminhos, aventurando-se nos montes mais baixos e rebolando até à base. Era uma forma divertida de se deslocar pois tinha sempre duas perspetivas da paisagem. No entanto sentia qualquer coisa a picar dentro do peito quando observava o voo das aves ao amanhecer, o sol a alaranjar o azul do céu e o grasnar ruidoso a libertar as gargantas. E o pássaro piava.
Apu ouvia-o. Não entendia a frágil coragem do pássaro, os saltitos, a bola de penas curtas a rolar baixios. Apu era dourado de ouro verdadeiro. A cobrir-lhe o dorso, uma manta às riscas de cor preta, branca, siena queimada, ocre e amarelo gema de ovo. Colocado no parapeito de uma janela, mexia apenas os olhos e batia-lhe o coração num anseio de liberdade. E disse ao pássaro redondo que se arredondava na terra batida:
- Rebola até aqui. Quebra os vidros desta janela, liberta-me do feitiço dos deuses que me fizeram estatueta rara.
O pássaro olhava-o, mas os vidros eram espessos e ele distraído e foram necessários três dias e três noites para que entendesse o pedido mudo dos olhos que mexiam. Então o pássaro quebrou o vidro e sangrou das suas curtas penas. Apu estonteou com o ar puro da noite, inspirou e expirou a habituar os pulmões recém nascidos, mas foi tal a alegria sentida que gritou ao pássaro:
- Segue-me, vou ensinar-te a voar nos grandes espaços.
E começaram a subir. Umas vezes o pássaro esvoaçava, outras, Apu carregava-o no lombo. Escolhiam os trilhos perigosos, as cordilheiras altas. O pássaro transfigurava-se e Apu incitava-o a voar, mais leve, mais solto. As penas feridas sararam, alongaram-se, ganharam a cor do ouro, da terra queimada, do amarelo sol e a neve enfeitava-o aqui e ali. Quando o pássaro cansado se enrolava, Apu irritava-se e cuspia-lhe, mas depressa restabeleciam o equilíbrio entre o voo e a marcha e a coragem das alturas.
O pássaro nunca mais sentiu picos dentro do peito e Apu nunca mais regressou ao parapeito da janela. O dono da casa substituiu o vidro partido e como era poderoso e rico, enviou mil servos em busca de um ladrão de estatuetas. Alguns de entre eles cruzaram-se com Apu mas não o reconheceram.
Esta é a história do pássaro que nasceu redondo e de Apu dourado, de ouro verdadeiro.
E tinham inveja deles as gralhas e as águias anãs.






















23 comentários:

Marcos Satoru Kawanami disse...

Manuela,

Nossa, você inventou uma fábula, uma lenda. Um sentido figurado para vidas de pessoas.

É você mesma que faz os desenhos?

=)
Marcos

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


Bravo!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 18 de Janeiro de 2014

Rogerio G. V. Pereira disse...

História linda e bela
Mil lições hei-de tirar dela
Para já, sinto um pico
dentro do peito
Tantos são os pássaros
que não sabem
para que lhes servem as asas
e passam ao lado,
com desdém
de todas as estátuas...

Graça Pires disse...

E eu repito, Manuela: como eu gosto de uma história bem contada...
E lembro Torga: "Ave que pode voar no firmamento só rasteja no chão por cobardia".
Um grande beijo.

ONG ALERTA disse...

Que maravilha, beijo Lisette.

disse...

Aposto que aquela editorazeca, a Lua de Marfim, ainda te vai pagar uma fortuna para publicares um livro com a chancela dela e deixar-se para sempre das "poetisas" à la minute...

Ou então, mais a norte, a Poética não sei das quantas, daquela criatura que tem um timbre vocal que mais parece uma corneta dos trezentos, optará pelo mesmo caminho, para não ter de fechar as portas...

Bravo!

Kika disse...

Kriu?

Redonda de riso :)))

Kriu!

Mz disse...

Os invejosos desconhecem sempre a força dos sonhos de quem desdenham.

Gostei muito.

Abraço

. intemporal . disse...

.

.

. como num voo . cada sílaba Sua . a decifrar a lonjura . deste chão a tanto céu .

.

.

. íssimo feliz .

. e um grande beijo . :))) .

.

.

Maria Silva disse...

Belo conto, onde a poesia e o conhecimento do mundo ondeia em ondas de filosofia.
Boa semana.

Beatriz disse...

O pássaro redondo que tinha saudade do ovo......tudo de bom!!!
Suas fábulas fazem qualquer um viajar num tempo em que tudo é magia!

Um beijo Manuela

Bia

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Agente lê e fica assim: - A modos de querer mais ou entender melhor...
Faz-me muita pena ver tantos pássaros com asas que não sabem voar e teimam em rebolar.
Será que deixaram de sentir o espinho dentro do peito ?

Vitor Chuva disse...

Olá, Manuela!

E o improvável aconteceu:por obra e talento de quem criou esta encantadora história cheia de magia: conto de embalar para os mais novos, e convite à reflexão dos outros que aqui a lêem.
Lindo!

Um abraço e boa semana.
Vitor

Evanir disse...

Manuela que beleza de conto como se diz aqui no Brasil.
Linda semana amiga beijos,Evanir.

© Piedade Araújo Sol disse...

gosto da maneira e da forma que dás aos personagens, que ganham vida e rodopiam, e voam nas tuas palavras certas e talentosas.

gostei!

boa semana.

beijo

ki.ti disse...

e essa espécie de fogueira meia aluada?

cá para mim, comeste um parágrafo..

disse...

Comeste um parágrafo?

Como castigo, tens de escrever sobre o papa formigas e depois sobre o tigre de bengala, no Amadora-Sintra, por exemplo...

Kika disse...

Kriu?

Foi um crime terem fechado o Júlio de Matos...

Kriu!

Rita Freitas disse...

Lindo e emocionante, fez-me reflectir sobre os picos dentro do peito que muitas vezes sentimos…mas basta aprender a voar :) 

Adorei

Beijinhos

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Muito bonito... geralmente os tesouros estão escondidos na própria natureza do ser, e são os anões da vida que desejam secretamente ser ladrões de estátuas...

Kika disse...

Beijinho amigo.

disse...

Beijinho amigo.

. intemporal . disse...

.

.

. este Daniel Silva não passa de um impostor . há muito que sei muito bem de quem se trata . é desta "gentinha" que a blogosfera se reveste .

.

. en.fim . é o que [não] temos .

.

.