dez de novembro


Hoje não escrevo nada. À minha direita na caixa de chocolates, escondi as vogais e as consoantes. Para que se adocem. À esquerda, numa folha de papel branco deixei cair com uma pinça os pontos finais. A folha já não é branca, é preta. Como não faço interrogações ou exclamações, não fecho nem abro parênteses e sobretudo não utilizo aspas ou reticências, não preciso do copo de iogurte onde lavo os pincéis.
É assim uma espécie de temperança, de sobriedade desejada, de respigar, ser respigadora do que deixam para trás e eu apanho, como um direito reconhecido, não legislado, desde o início dos tempos. É um abandono do supérfluo.
As maçãs mais pequenas são as que soltam perfume nas fruteiras e no chão dos sótãos onde as alinhavam para que o ar circulasse e não apodrecessem. Quando podíamos ainda arrecadar.
A luz era uma quase penumbra, raios luminosos a entrar pelas claraboias e pelos intervalos das telhas e o pó a desenhar partículas de deus. Nestas pequenas coisas ele não nos desilude.
Quando me der para aí, agito a folha, sopro, e os pontos finais soltam-se como o perfume das maçãs a pairar. Uma e outros, retomarão a forma e a cor primitivas.
O jarro de barro com as folhas quase mortas não tem significado algum.

18 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

Um texto não escrito
pode ter um inusitado uso
Guardo-o
Tenho a impressão que um dia me fará falta

Numa data que me seja querida

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


Não escreves nada mas escreves muito.

Bravo!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 10 de Novembro de 2013

Isa Lisboa disse...

Acho que também tenho "saudades de quando podíamos arrecadar"...
Vou com o aroma das maçãs pequeninas...
Um abraço, com desejos de boa semana!

Rita Freitas disse...

E começo a semana com a magia das palavras na alma depois de ler este texto :)

Obrigado

Bjs e boa semana

Mz disse...

Descrevendo o nada contrói-se um pensamento doce e perfumado de fazer crescer água na boca.


Um abraço e uma boa semana.

. intemporal . disse...

.

.

. ______________________________ .

. ______________________________ .

. ______________________________ .

. ______________________________ .

. ______________________________ .

. ______________________________ .

. ______________________________ .

. ______________________________ .

. ______________________________ .

. ______________________________ .

.

.

. porque há momentos que são in.comentáveis . e/ou . a.penas . mais.do.que.sentidos .

.

. desta vez . um forte abraço
.

.

.

Kika disse...

Kriu?

Sempre te soube, porque te sei, ao saber-te assim, de asas, sacras.

Kriu!

disse...

Se o mundo se povoasse da gente que és, o mundo seria bem melhor, em redor, da tua gente!

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Sem quereres escrever, descreveste um belo momento que nos leva para um tempo em que as maçãs tinham cheiro e as recordações o sabor do chocolate.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Marcos Satoru Kawanami disse...

Manuela,

É boa a tua escrita, tens estilo próprio. Gosto da elegância e suavidade, do dizer despretensioso e cuja ideia não é patente, mas amadurecida e sutil.

Por outro lado, os estilos burlescos e extravagantes também me agradam; talvez seja o meu. haaa

=D
Marcos

Beatriz disse...

Torço profundamente pelas vogais e consoantes

Os pontos finais deixo para depois...

E daqui sinto o cheiro doce das pequenas maçãs!

Um beijinho, Manuela

Bia

© Piedade Araújo Sol disse...

o talento de um não escrever nada, escrevendo tanto, tanto...

:)

Vitor Chuva disse...

Olá, Manuela!

Escrevendo pouco, disse muito, numa escrita que encanta.E também eu subi as escadas que levam ao sobrado e lá encontrei as peras mais as maçãs estivadas no chão, em cima da palha.Lugar onde a Manuela vislumbrou ainda a partícula de Deus, que alguns outros, às cegas,continuam a procurar debaixo da terra…

Bom resto de semana, e um abraço.
Vitor

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Momentos mágicos. Deliciosamente belos. Só mesmo no tempo em que ainda se arrecadava alguma coisa.
Pode ser que soprando ainda sobrem algumas partículas de Deus...
O sótão é vasto e o perfume das maças pequenas ainda se mantém fresco...

Silenciosamente ouvindo... disse...

Pois obviamente que escreveu,
que falou de coisas de que se
tem saudade,de cheiros...
Às vezes não apetece usar
palavras...como se não se pode
só olhar(nisto do blogue tem que
se deixar letras...)mas eu imagino
o seu olhar quando não estava
escrevendo...
Bom fim de semana.
Bj.
Irene Alves

Isa Lisboa disse...

Manuela

O meu blog tem um espaço para os amigos. Deixei lá um presente para si! Siga pelo link que deixo e desça até encontrá-lo! :) Um beijinho

http://instantaneospretobranco.blogspot.pt/p/poetas-poets.html

Jacintinha Marto disse...

Não escreve nada????...

E os direitos das pessoas com mobilidade reduzida???...

Sabe quantas horas tive de andar a fazer rodas as rodas da minha cama articulada, para chegar aqui e não ver nada escrito?

Tenho as mãos numa chaga que parecem as do senhor Santo Cristo...
Lembre-se de quem sofre, porque há muita gente que vem de longe para a ler, e não pode dar com as portas fechadas.

Pronto. Já estou mais calma: apesar de analfabeta, adorei ler aquele lindo verso branco "desenhar partículas de deus".

Eu acho que sou uma partícula de deus, mas entrevadinha desde a nascença. Obrigado por pensar na sua beata :-)

kisses

Jacy

Linda Simões disse...

Amiga Manuela,

Até quando não escreves(?!)é bom estar aqui.

Saudades dos amigos queridos.
E como estão?

Beijinhos,

Linda Simões