leo





Ao entardecer fez-se leão. Encontrou a coragem a vaguear pelas ervas baixas, as pedras altas, uma ou outra ave de arribação. Não rugiu como seria de esperar e os animais das tocas, mais afoitos, sentaram-se com ele, as caudas enroladas à volta das patas dianteiras, o focinho espetado na expectativa das queimadas, dos fogos a consumir o mato.
Pegou-lhe com cuidado e com uma unha afiada fez um lenho no peito e colocou-a rente ao coração. O sangue era vermelho vivo e um pingo caiu na unha do primeiro dedo da pata esquerda.  Ele lambeu-a. Era doce como antes.






Contou apenas três árvores e recontou-as com medo que a morte o viesse buscar, mas não veio. Os outros leões rondaram-no, curiosos e desconfiados. Elevaram as narinas a cheirar o ar que ele respirava, observaram o pelo amarelo mascavado, a tranquilidade cor de oliveira dos olhos e desconcertados, deixaram-no em paz.
Ao longe o vento do deserto mudou as dunas de lugar, desenhou trilhos, destapou os panos escondidos pelas tempestades e um compasso antigo de marear.









Na quietude da lua fez-se pequeno a acreditar num tempo bom de feras mansas. E partiu em busca dos marinhos leões.

16 comentários:

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


Marinho
o leão
cabe neste cantinho


Muito bonito, Leo, gato amansado!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 28 de Junho de 2013

Rogério Pereira disse...

Estranha história esta
onde nem o leão nem a floresta
batem com a imagem que temos
ou com o que deles sabemos

Se é bela?
Como sempre

Mz disse...

Leo, contigo também eu me sentava. Enroscava-me no teu pelo amarelo mascavado se o teu acreditar se tornasse realidade.

"...tempo bom de feras mansas..."

Pelo caminho talvez encontres a EVA!

Um abraço para si, Manuela.

Isa Lisboa disse...

Aqui venho mais uma vez descobrir mágicas personagens e lindas pinturas!

Beijos

Isa Lisboa
=> Instantâneos a preto e branco
=> Os dias em que olho o Mundo
=> Pense fora da caixa
=> Tubo de ensaio

Nilson Barcelli disse...

Também eu gostava de "acreditar num tempo bom de feras mansas"...
Mais um belíssimo texto. Gostei muito, como sempre. Tal como das ilustrações.
Manuela, minha querida amiga, tenha um bom domingo.
Um abraço.

ki.ti disse...

Tão peludo...em julho

Kika disse...

Kriu?

Ao entardecer faço-me arara e solto caganitas na tola das poetisas enfermeiras que deambulam, também por aqui...

Tão humildes que elas são !!!

Kriu!

disse...

Pior do que essas só as graxistas de Fânzeres...

© Piedade Araújo Sol disse...

não sei porque, mas, a ternura do leão ou então seja por mim, senti uma sensação de angústia...

:(

Silenciosamente ouvindo... disse...

Até os leões se podem transformar...
Tudo já é possível.
Bj.
Irene Alves

Vitor Chuva disse...

Olá, Manuela!

Estranho este mundo: habitado por leões que sendo da terra, vão ao encontro dos que vivem no mar; só mesmo nesta história de encantar!

Lindas gravuras, como sempre.

Bom resto de semana, um abraço.
Vitor

Rita Freitas disse...

Eu acredito neste leão :)

Beijinhos

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Depois de ler fica-se a sonhar e vimos outros leões rugindo e abanado as noites de sombras pavorosas...
Leões politcos, quietos fingidos...
Leões que desconhecem os ventos e sonham com as presas ainda vivas....

Nilson Barcelli disse...

Manuela, querida amiga,passei para te desejar um bom fim de semana.
Beijo.

. intemporal . disse...

.

.

. mais.do.que.perfeita.a.quietude. assim como uma veste . da qual nos urdimos unos . de amarelo mascavado .

.

. esta é uma página suspensa . a ser a capa de uma obra grandiosa .

.

.

.

. mais.do.que.perfeita .

.

. íssimo feliz .
.

.

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Vai virar Leo, o Marinho...no azul.
Lindo, lindo, lindo...
Beijos