eva




O ar estava carregado, numa recusa em entrar pelas narinas e circular, vaguear até aos pulmões, num prenúncio de tempestade seca, que magoa, faz doer.
Pior que o trovão, a hiena, mais assustador que o vento seco, o leopardo. Leão, o rei, convocou todos os animais e disse-lhes que era o mais bonito, o mais rápido corredor de curtas distâncias, o mais alto dos felinos, o que possuía os dentes mais afiados a rasgar a carne das presas, o que rugia em tons mais graves. Eva troçou dele, mais alta seria ela quando acabasse de crescer. Mas a sua voz mal se ouvia, assim era a sua natureza de girafa. Também lhe faltava um corno, aquele que deveria crescer no meio da testa. Ao nascer, caíra de uma altura de dois metros e batera com a cabeça numa pedra. Não deveria estar ali, a pedra. Mas estava. A mãe distraíra-se com as folhas tenras das acácias, naquela compulsão diária que obriga estes seres a mastigar, a ruminar quase tantas horas como aquelas que o dia tem. Chamara-lhe Eva, por ser única e primeira. O deserto avançava e trazia o que possuem de belo as noites profundas de calor, o crepitar irreal das estrelas.
Eva era independente e solitária. Sem o apetite devorador dos seus pares, afastava-se, curiosa e concentrada, o nariz para cima, o pescoço pouco flexível, as pernas dianteiras uns centímetros mais compridas do que as traseiras, os olhos imensos e pestanudos. Quando se sentia cansada, deitava-se e dormia, que é uma coisa que nenhuma girafa ousa fazer. Se um predador atacasse, a falta de agilidade ser-lhe-ia fatal e não teria tempo de se levantar.
No entanto o leão tinha bom ouvido e apesar do ribombar súbito da trovoada descobriu-a no meio dos felinos, enfureceu-se e rugiu incitando-os à caçada. Eva sentiu o perigo, desejou ser apenas olhos, mas foi pernas, ganhou velocidade, as girafas adultas alcançaram-na, rodearam-na e correram juntas mais um quilómetro. Depois pararam subitamente e entre as árvores foram troncos, mimeticamente semelhantes, os pescoços entrelaçados, os músculos tensos, as patas firmes na terra.
Os leões, os leopardos e as hienas deambularam humilhados durante dois dias.

19 comentários:

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


Girafinha do corninho atrofiado
que por isso via mais do que o montado


Linda!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 22 de Junho de 2013

disse...

Que eu saiba a Eva não é um rinoceronte ...

Vai, vai beber um café forte!

. intemporal . disse...

.

.

. mimética . a imagética sustenta a história . conferindo.lhe um sentido mais do que real . talvez alcançado pelo aveludado de uma escrita que aqui é canção para sempre .

.

.

. bravo ,,, nelita querida . bravíssimo . !!! .

.

.

. íssimo feliz .

.

.

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Não há limites para o seu imaginário.
Eva como todos os outros animais aprenderam a leis da selva e as leis da vida.

As figuras de animais movem-se com o ribombar da trovoada e o rugir dos leões...
...quem sobreviverá ?

ki.ti disse...

Esta história está mal contada

o terceiro corno é no nariz, não é na testa

não percebes nada de felinos

Romão Machado disse...

Continua leitor assíduo da sua maravilhosa forma de me fazer pensar...

Kika disse...

Kriu?

Ou eu estou daltónica hoje, ou levaste as aves à barrela...

Kriu!

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Além de imponentes, inteligentes...
Fabulosa, bela, nas palavras e nas imagens...Aqui, me encanto!

Beijos, Manuela,
da Lúcia

Mz disse...

Reconheço na girafa uma criança.

Quem dera que todas tivessem troncos que as protegessem dos perigos desta selva humana.

Os animais com o seu instinto ensinam-nos muito e a Manuela presenteia-nos sempre com uma mensagem.

Um abraço,
mz

Kika disse...

Kriu?

Finalmente tenho tempo para vir comentar esta página!

O primeiro desenho representa muito bem o Té, fossilizado, e o segundo desenho obriga-me a deixar-te este pedido:

Visto já não ser preciso, devolve-me então o cobertor de papa!

Kriu!

Nilson Barcelli disse...

Mais uma história de encantar.
Com desenhos primorosos.
Gostei muito, como sempre.
Manuela, querida amiga, tenha um bom resto de domingo e uma boa semana.
Um abraço.

Rita Freitas disse...

A lei da selva, a lei da vida!
Adorei ler.

Bjs e boa semana

© Piedade Araújo Sol disse...

uma história de encantar com os perigos da selva, ou da lei da selva...

muito imaginativa, com uns desenhos muito belos a ilustrar...

gostei!

boa semana.

beijo

Beatriz disse...

Outro dia, na National Geographic estava justamente vendo a vida das girafas nas savanas africanas. Corajosas e indefesas, já levam logo um 'tombaço' quando nascem! Depois são as sentinelas da África selvagem, vendo tudo lá de cima, com sua superioridade inquestionável. Corajosa girafinha!!!!!

Um beijo

Bia
www.biaviagemambiental.blogspot.com

Silenciosamente ouvindo... disse...

Ainda bem que se salvou...
Ainda bem que teve ajuda...
Há muito quem não tenha...
Há muito quem esteja a ser
devorado...
Bj.
Irene Alves

ONG ALERTA disse...

Vivemos em uma selva....beijo Lisette.

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Voltando (ainda devagar), mas com muitas saudades e agradecendo o carinho deixado durante a minha ausência.


Um beijinho com carinho
Sonhadora

Evanir disse...

Bem aventurado aquele que já consegue receber com a
mesma naturalidade o ganho e a perda, o acerto e o erro,
o triunfo e a queda.
De todas as minhas conquistas a maior delas são os meus amigos,
e amigas.
De sorriso puro no rosto de uma criança.
Acredite na fé, mais força, na esperança e na razão.
Descubra-se , ame-se, perdoe-se!
Viva intensamente
a cada Dia da sua vida.
Que sua noite seja de infinita paz ,
viaje comigo tenho certeza ,
que se sentira muito feliz.
Beijos paz e muito amor pra você.
Evanir.

Vitor Chuva disse...

Olá, Manuela!

O joelho cá vai melhorando, devagarinho.O meu obrigado pelas palavras amigas, que só agora agradeço...

E ainda chego a tempo de por aqui encontrar a Eva girafa - moradora numa selva que certamente fará inveja à nossa...

Um abraço; bom fim de semana.
Vitor