Escrevo-te na certeza de que entenderás o fio do meu pensamento, como um lago entende um fio de água, como as copas das árvores entendem o sussurrar do vento.
Quis o destino que fosses tu rei e eu o habitante do teu reino e na aparente apatia dos nossos deuses, parece-me ter sido uma decisão acertada. A minha maior ambição era saber porque é que a terra gira em redor do sol e na infinita sucessão dos dias, reconhecer cada um deles pelo que edifiquei de belo e jamais por aquilo que destruí. O que tenho de meu não é palpável, a casa, o forno, a árvore, o cão, a nascente, o celeiro, os pincéis, as tintas e os livros, foram-me cedidos e entregá-los-ei inteiros qualquer dia.
Os meus filhos e as minhas filhas trazem nos olhos o encanto das marés, aquelas que fazem o mar subir e descer pelas areias e as gaivotas gritarem sedentas de azul e de barcos carregados de sardinha.
Quanto a ti, corre-te no sangue a bravura dos guerreiros e falar de paz apenas tem sentido depois de se conhecer o horror da guerra. Delimitaste o teu reino, a norte e a este, a terra. A oeste e a sul, o mar. Muitos outros enclaves conquistaste e foram tantas as línguas que aprendemos, que a nossa, mais doce, mais terna, mais poética, permanece espalhada por aí e há sempre uma palavra que nos diz, eu sei quem tu és.
Se a tua memória for a minha, lembra-te da tarde em que nus, mergulhámos no rio na ignorância de quem era o rei e de quem seria o súbdito, ambos crianças a brincar, que é o destino apetecível de quem tem dez anos de idade e eterno é o verão. 
E fizeste uma promessa qualquer, um dia, um dia quando as laranjeiras estiverem em flor, dou-te um cavalo branco e aprenderás a galopar.
Quantas vezes ao olhar-me ao espelho, eu pensava que a tua face era a minha face e sentia o galopar desse cavalo a descompassar-me o coração. Iguais são os reis e os servos e a diferença é-nos imposta, não está decerto na nossa natureza. A película que reveste uma semente é semelhante à que reveste um homem ou um animal. 
No entanto andam vazios os barcos e as sardinhas não se podem pescar. Os homens inteligentes perderam as saídas para o mar e a estupidez grassa como erva daninha, como eucalipto invasor a abater os pinheirais mansos.
Assim, envio-te daqui num saquinho bordado a ponto cruz, dois grãos de pimenta, três grãos de trigo, duas sementes de trepadeira e esta carta.
A não seres tu rei serei eu quem te empresta um rio.









22 comentários:

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


... e mesmo que eu fosse rei tu dar-me-ías sempre o eterno mar!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 5 de Fevereiro de 2013

. intemporal . disse...

.

.

. "eu sei quem tu és." .

.

.

. uma bênção de Deus .

.

. uma deus.a entre a.deus.es .

.

. e por ora . um a.deus entre a.deus.es .

.

. és . alguém . como ninguém . que ja.mais esquecerei . aqui . e quando me for dada a plenitude da vida e.terna . caso a mereça .

.

. não há . Pessoa mais bonita do que Tu . aos olhos meus .

.

.

. e este "Tu" . é pertença do Seu coração .

.

.

. íssimo . mais.do.que.feliz .

.

.

disse...

Então entrega-me que tu vais ver...

Kika disse...

Kriu?

Raramente me olho ao espelho, porque fico sempre a pensar se este rosto avermelhado será sinal de saloiice!

Kriu!

ki.ti disse...

Vão-nos entregar inteiros????

e eu que nem fatura tenho, porque era uma vadia!

Rogério Pereira disse...

Te respondo com o reino que tão bem definiste pesando-me nas costas, na alma e no lago que entende esse fio de água que me estendes. Não me surpreendes, sabia-te como és. E porque pareces saber mais do que eu o que é nobre fazer, vem para junto de mim, e traz contigo o tal rio. Dois faremos melhor do que um só, Deus era só e se fez um mundo perfeito não tem agora mão no no criado... Traz, para além do rio, quem te aprouver. A tua chegada será festiva e será anunciada a igualdade entre nós dois. Não haverá senhores e servos, depois

Rita Freitas disse...

Tão bonito!

Adorei ler.

Beijinhos

Mz disse...

Mais do que rei, se for inteligente, irá decerto entender que para além dos ingredientes, não se mandam saquinhos bordados a qualquer pessoa.

Um abraço,
Mz

vitorchuvashortstories disse...

Olá, Manuela!

Este lindo texto bem poderia ser a história do percurso dum riozinho curioso e encantado à nascença, a desaguar num mar imenso onde o se instalou o desencanto.Para onde olhamos lembrando um passado onde não faltavam a pimenta e outras especiarias ao tempo exóticas, neste presente à deriva em que procuramos traçar o rumo que nos conduza ao futuro. E é assim há tanto tempo...
Gostei muito!

Abraço amigo.
Vitor

Silenciosamente ouvindo... disse...

O texto pode ser enigmático...
Ou cada um de nós "lhe dar uma
interpretação"...Eu limitar-me-ei
a reflectir e a esperar que os
barcos possam ir pescar e vir cheios,
e que a paz possa estabelecer-se
dentro de nós, sem reis e sem
escravos.
Beijinho
Irene Alves

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

P.S. - no saquinho enviei-te também o meu sopro...


beijinho amigo

Isa Lisboa disse...

Que bom de ler...

Beijo, Manuela

Graça Pereira disse...

Os rios contam sempre histórias de encantamento e dão-nos a certeza de um dia de mudança...Talvez as sementes também ajudem e façam esquecer os tempos magros de agora...
Um dia...seremos definitivamente livres - é o que te digo na carta resposta que te envio, com perfume a canela.
Beijo
Graça

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Que pena que esse rio já não tem peixes...nem barcos.
Resta apenas a saudade e a esperança que esse rio volte a correr para o mar.
Ler-te é sempre uma viagem pela beleza.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Nilson Barcelli disse...

Uma bela carta, de um súbdito para o seu rei...
E disseste bem ao dizeres que lhe emprestavas o rio. Porque os rios, o mar, os barcos e as sardinhas são do povo.
Magnífico conto. Encantas-me sempre.
Manuela, tem uma óptima semana.
Beijo.

Malu Silva disse...

Fiozinhos d"água, como fios condutores, inspirações para reinos distantes ou de reinos tão perto de nós que por serem perto os desconhecemos. Teus contos me encantam...
Beijinhos, Manuela

© Piedade Araújo Sol disse...

uma carta tão agradável de ler.
gosto muito da maneira como escreves.
as palavras dançam.
uma boa semana.
um beijo

. intemporal . disse...

.

.

. um ponto .d.aqui .

.

. from malaysia . :))) .

.

.

LUZ disse...

Texto extremamente bem escrito, com imensas entrelinhas e metáforas.

Uma pitada social e política, e uma mão cheia de amor, que inundou a prosa.

Feliz dia, com luz.

manuela baptista disse...

hello malaysian point!

Lúcia disse...

Nesse reino encantado, absorvo aromas, sabores, sons e cores...
Viva a mãe d'água!

Lunna Guedes disse...

Como sinto saudades daqui. Como é bom ler-te. Saborear suas frases como se fossem um diálogo tecido para comigo durante o caminhar de um dia que segue com seus excessos. Você me propõe uma pausa e eu aceito. E vou mergulhando em coisas simples como saber se a terra de fato gira ao redor do sol. Que delícia. Fico pensando, de fato gira - mas e se o fato não for assim tão preciso? rs
Vou ali sonhar-te.

bacio