janeiros





Janeiros são os dias a passar. Disso nada sei, pensou a raposa retomando o sono, o sonho e o ronronar. Aparente é o abandono das árvores e dos ramos e este respirar quente e sereno dos animais adormecidos sobre a terra. 


















5 comentários:

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA



como sem saber sabia ela
dos tempos que passavam sem cautela



Jaime Latino Ferreira
Estoril, 12 de Janeiro de 2019

Agostinho disse...

Os janeiros
nem parecem inteiros
Aparentemente lento
o tempo
alento pede abafo de pele
lento corre o sangue pede
pouso pousa repousa
o corpo raposa

Very good, Manuela.

Marcos Satoru Kawanami disse...

Poesia em prosa, senti o janeiro daí.

abraço

Graça Pires disse...

Quero ser como a raposa do teu conto. Quero respirar esse ar quente, já que este janeiro está de arrepio…
Uma boa semana, Manuela.
Um beijo.

Fernanda disse...

Tal como a raposa, enrolo-me em todos os cantos quentes e com todos os farrapos, esperando que o Inverno passe.
abraço amiga.