de seda, de arroz e a forma humana de certas coisas















Era uma vez uma rapariga que possuía uma tesoura. As irmãs diziam-lhe, tenho um vestido novo, tenho um pente de marfim, tenho um verniz vermelho, tenho uma carteira de couro. Ela respondia, eu tenho uma tesoura, de bicos finos e uma fitinha cor-de-rosa para a marcar.
As irmãs troçavam dela e cacarejavam pela casa, bico-de-tesoura, bico-de-tesoura, vê lá se és capaz de me cortar. E fugiam a rir e ela ficava com o silêncio que elas lhe deixavam e como aqueles eram os dias de dobrar o ano, ela escolhia os papéis de que mais gostava, dobrava-os em acordeão, recortava meninos de mão dada e colava-os nos vidros das janelas.
Nos momentos bons a rapariga era suave como a seda, macia como o papel de arroz. Nos momentos maus armava-se de pensamentos ruins e desejava cortar em pedaços o vestido e a carteira, entornar o verniz, riscar o marfim do pente, como se ferisse a pele das quatro irmãs de cabeça leve como as folhas no inverno e elas choravam a sangrar pela casa, bico de tesoura, bico de tesoura, foste capaz de me cortar.
A rapariga guardava a tesoura num saco de veludo preto e trazia-a sempre consigo. Na escola recortava os cadernos diários, nas salas de espera transformava as revistas em flores e pássaros, no autocarro usava os bilhetes para inventar nuvens. Mas era uma arte menor, não por ausência de beleza, mas por ser estática, muda, plasmada nos vidros apenas.
O ano terminou e outro começou e a rapariga cresceu tanto que ultrapassou as irmãs em altura e cada vez as ouvia mais longe, eu tenho, eu tenho, eu tenho, eu tenho. 
E foi espaçando os cortes e os recortes e pareciam-lhe tão infantis os meninos de mão dada, parada.
No entanto, um dia encontrou um papel especial. Era branco e não era branco, poderia ser preto, refletia a luz e simultâneamente tinha luz própria e quando encostava nele o ouvido, sentia-o murmurar. Comprou-o e nessa noite deixou-se ficar pela mesa grande da cozinha, baixou a intensidade das luzes e enquanto todos dormiam desenrolou-o, esticou-o e pegando na tesoura começou a recortar.
Os dedos acompanhavam a tesoura ou talvez fosse apenas o seu contrário e ganhou forma humana a menina de papel. E dançou. Sobre a chaminé, nas escadas do sótão, por cima das camas, no parapeito das janelas. Veio um vento e levou-a, pernas de tesoura e uma fitinha cor-de-rosa para a marcar.




















37 comentários:

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA



... e marcou a dança, o passo e a contradança ...


Um Bom Ano de 2015


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 1 de Janeiro de 2014

Kika disse...

Kriu?

Olha tanta bailarina preta com saia branca, antes assim, pois em 2014 andou sempre por aqui uma pata de chumbo branca com a cinta preta!

Feliz ano novo, Manuela, ciganamiga!

Kriu!

Marcos Satoru Kawanami disse...

As fábulas de surrealismo suave de Manuela, diferente de tudo o que já li. :)

Feliz ano novo!

Rogerio G. V. Pereira disse...

Só gosto do vento quando não estou ao relento ou quando viajo, de barco, com velas enfunadas por cima das águas agitadas. Também gosto do vento quando me traz notícias ou me diz coisas de me fazer feliz.
Hoje, ainda a madrugada não se tinha feito alvorada, o vento trouxe-me um objecto, que me bateu, forte na vidraça. Quase a estilhaça. Do alto do meu terceiro andar, olhei o passeio e mal vi o que bateu assim. Brilhava. Pouco, mas brilhava. Seria uma estrela? Desci as escadas, rápido e de pronto alcancei o lugar onde julgava estar. Estava. Era uma tesoura, um pouco enferrujada com um laço, desbotado, que ainda a enfeitava. Peguei-lhe com o mesmo cuidado que pegaria numa estrela. Afiei-a, depois lhe lhe avivar o cromado e lhe renovar o laço. Dançou, para me agradecer.

Devolvo-a a quem provar lhe pertencer...

Petrus Monte Real disse...

Manuela:

É infindável
o poder da criação literária!

Um simples instrumento
de trabalho
dá vida
a belas criaturas:

a menina de papel
é uma linda
mensagem de Esperança!

Bom Ano Novo

Vitor Chuva disse...

Olá, Manuela!

Mais uma bonita história de encantar, nesste rico mundo onde a imaginação não conhece fronteiras; delícia de conto que nos encanta.

UM BOM NOVO ANO!

Um abraço
Vitor

Kalinka disse...

MANUELA BAPTISTA

Um Bom Ano de 2015

agradeço a sua presença no meu blogue

Pelo Natal não passei por cá, desculpe

Li a sua história e concordo:
Nos momentos bons a rapariga era suave como a seda, macia como o papel de arroz.
Nos momentos maus armava-se de pensamentos ruins e desejava cortar em pedaços o vestido e a carteira, entornar o verniz, riscar o marfim do pente, como se ferisse a pele das quatro irmãs...

Quem de nós não reage da mesma maneira?
Nos momentos bons melhor
e nos momentos maus pior...

um abraço da Tulipa/Kalinka

Graça Pires disse...

Como dizer que as tuas histórias me comovem? Elas têm "luz própria". E as palavras dançam como as bailarinas que desenhaste. Tudo tão belo!
Um beijo, amiga e um Ano cheio de coisas boas.

disse...

De olhos rasos, nem consigo comentar...

Tens um lenço, amiga?

Mar Arável disse...

A poesia não tem limites

Bj

Isa Lisboa disse...

É assim o que amamos fazer: um dia ganha vida! ;)

Um Feliz 2015! :)

. intemporal . disse...

.

.

. e de um recorte foi dado o mote para uma levíssima dança .

.

. ! bravo . nelita .

.

. íssimo feliz .

.

.

Beatriz disse...

Doce menina de papel a embalar seus próprios sonhos pelo ar...

Um beijinho Manuela


Bia <°)))<

sinfonia disse...

E que melhor forma poderia ter surgido?
Com dança, música, poesia e sensibilidade se pode ajudar a construir um melhor
2015.
Bj.
Irene Alves

Graça Pereira disse...

A tua imaginação nunca terá fim...é como o mar! Acredito que, em cada onda, vem um montão de histórias que ninguém vê mas, que tu as descobres, ainda que sejam com tesouras...
Um ano de 2015 muito feliz e um beijo
Graça

Olinda Melo disse...


Olá, Manuela

Gostei. Gostei muito desta história que tem muito daquilo que sentimos, nos bons e maus momentos. Momentos maus que somos capazes de superar como esta menina que, na sua arte, se ultrapassa e se sublima.

Beijos

Olinda

Celso Vaz disse...

Bom ano de 2015, minha querida amiga Manuela Baptista.
Gostei muito do nosso reencontro em dezembro último... eh, eh eh!

2015, é o ano da Osga Sibilante, A Profeta Demente!!!

Olinda Melo, tem um cancro. Vai cortar as mamas em breve.
A Semiramis ressuscitou e cospe sangue podre.
2015 será um ano fofinho e esquisito...


Pim!


Quem me conhece.... APODRECE!

Kika disse...

Kriu?

Que calor que está aqui na Micronésia, e tu aí a bater o dente!

Só regresso para o aniversário do Jaime, dia 11!

Kriu!

disse...

Kika,

Sabes nadar?

A AirÁsia tem voos directos, caso te sintas cansada para regressares pelos teus próprios meios...

Agostinho disse...

A imaginação é infinita!, Manuela.
Quero apenas dar nota que a menina, sem se saber quem, veio agora dançar frente à minha vidraça. Vejam como faz negaças à Lua que acordou há pouco entre alinhavos de estrelas.

Celso Vaz disse...

Minha querida Manuela Baptista, estou chocado contigo.
Uma amiga comum confidenciou-me que andas a inventar nicks para virem aqui fazer comentários. O Luis Arrebenta Alves da Costa também faz isso... a Semiramis, a Lola Chupa, a Katya rebarbado, a Nela Leite e mais umas 40 são tudo invenções.
e agora tu também nesse vício?!?!?!?
A INVENTAR NICKS?!!!
Tenho pena de ti, por isso aqui te deixo um doce beijinho esvoaçante

http://thebraganza.blogspot.com

Celso Vaz disse...

Era uma vez uma rapariga que possuía uma tesoura. As irmãs diziam-lhe, tenho um vestido novo, tenho um pente de marfim e, dentro de mim, bactérias super resistentes

Somos muitas e pouco belas e quem nos conhece... APODRECE.

beijinho doce para ti minha amiga Manuela Baptista.
http://thebraganza.blogspot.com

lidacoelho disse...

Lindos, lindos estes contos.Depois deixaram as meninas a voar dançando na cor branca do papel.
É bom ter tanta imaginação mas ainda é melhor saber esperar e saber sonhar.
Um dia acordou grande, maior do que as irmãs. Muito, muito maior porque dentro de si não tinha maldade e nunca as quis maltratar - cortar, desprezar com aqueles risos escondidos nos cantos da casa.

Celso Vaz disse...

Minha querida amiga Manuela Baptista...........tens tantos admiradores que aqui escrevem coisas bonitas e fofinhas....
e...

...e se um deles for um de nós?
http://thebraganza.blogspot.com

no outro dia no café sentiste como a nossa conversa estava com duplas intenções?
Acho que um dia vamos acabar na cama. eh eh eh eh!

Amizades coloridas

Celso Vaz disse...

A imaginação é infinita!, Manuela.
Quero apenas dar nota que a menina, sem se saber quem, veio agora dançar frente à minha vidraça. Vejam como faz negaças à Lua que acordou há pouco entre alinhavos de estrelas.

Semiramis disse...

Lindo, lindo, lindo!
Bom 2015, minha querida amiga Manuela Baptista.

ki.ti disse...

quando é que envias a magrela em pontas para a companhia nacional de bailado?

já cansa...

Luis disse...

Parabéns, por aí :-*

Celso Vaz disse...

Não percebo porque nunca publicas os meus bonitos comentários.
Tás armada em fina?
Achas que eu sou maluquinho?
Pensavas que eu e a Semiramis tinhamos um cancro a meias?
E morrido?

Pergunta ao Luis nosso amigo que ele explica tudo

Celso Vaz disse...

Minha querida amiga Manuela Baptista

foste tu que escreveste a palavra "MONHÉ" no

http://thebraganza.blogspot.com
???????

ou foi o Luisito?

Sabes que a xenofobia é CRIME????

Se não sabes, ficas a saber.

http://thebraganza.blogspot.com

Tenham cuidado.
Muito cuidadinho, que este ano de 2015 não augura nada de bom....


e mais não digo pra não estragar a surpresa.

Celso Vaz disse...

Há palavras tão bonitas para descreveres a tua verve poética

Pústula
Moléstia
Agonia
Chulé...


e vais usar um termo tão feio...
MONHÉ!!!


tss, tss

Estou a ficar muito chateado contigo, minha querida amiga Manuela

Jacintinha Marto disse...

Lindas são as bailarinas,
e quem me dera poder dançar.

Quis a sorte e fado que até a dança me fosse um fardo, e sou um palco artrítico da imobilidade,
já nada sinto
e nada me dói,
mas eu também sou essa dançarina aos bocados, sobretudo naqueles instantâneos em que tenho as coxas todas escarrapachadas, e depois as pernas fechadas, em tenaz.

Quer o meu relógio biológico apontar para as tenazes serem muito mais raras do que as horas e horas de espargatas a que sou obrigada...

Creio ser isto a santidade, não acha?...

:-*

Kika disse...

Kriu?

Irra que o raio das bailarinas não desandam daqui, são tal qual a Arminda Branca Mendes Vieira Pinto...

Kriu!

Celso Vaz disse...

A Jacintinha Marto é o Luis Alves da Costa, modesto professor de Matemática de um escola aqui para os lados da Belém.
Não te deixes enredar na sua teia, minha querida amiga Manuela.
A criatura é estranha. Muito estranha!

Luis disse...

Manelinha, vê se não um problema com o email. Já veio devolvido três vezes.
Só para dizer que a pessoa de que falámos pode vir almoçar, mas só no fim de semana de 24/25. Questão de escolher.
Por mim posso em ambos.

Vêm os dois Paulos também.

ah, e não é para publicar.

Envia email de volta para ver se chega

:-*

Luis disse...

Pronto, chegou, já enviei.
Desde que começou esta porcaria do sócrates voltámos ao inferno...

(Não era para publicar)

Telefone logo :-*

ki.ti disse...

Kika, socorro!