II - como uns sapatos pretos alteram o curso da história


Rolando era um rato ágil e esperto. Não existia contrariedade que o demovesse nem perigo que o fizesse desistir. Conhecedor das casas, dos esgotos e das ruas, movia-se tão rapidamente que se alguém abrisse a boca para gritar, olha um rato! não gritava. Porque Rolando já não estava ali.
Também não era fácil admitir que numa cidade como aquela ainda habitassem roedores e assim ninguém fechava o queijo da serra nos armários, ou escondia o chouriço de carne na despensa.
Quando o estômago de Leonardo produziu um novo ruído, Rolando pegou-lhe na ponta da orelha esquerda e disse-lhe:
- Não saias daqui.
Foi num pé e veio no outro, as patas dianteiras espalharam sobre um guardanapo amarelo duas fatias de tarte de maçã, um paio e uma perna de frango. A cauda de Zê abanava da esquerda para a direita e minutos depois apenas restava o guardanapo amarelo. O rato arrotou estrondosamente e Zê riu-se, depois dobrou o riso e era tão contagiante a sua alegria, que o rato se rebolava a rir e ficaram com soluços os dois. E Zê disse com se fora muito pouco:
- Perdi-me.
Foi então que apareceu Aurora. Neste tempo de dias a crescer, ela chegava sempre mais cedo e trazia consigo o tom azulado daqueles espaços da fronteira entre o dia e a noite, entre o sonho e o pesadelo, entre a mágoa e a alegria. Quantas são as vezes em que choramos a rir. Aurora calçava uns sapatos pretos, meias vermelhas de acordar pirilampos e sapateava nas pedras da calçada, nos paralelepípedos dos passeios, nas tampas dos esgotos. Conhecia as passagens secretas por onde circulam os ratos, as certidões de nascimento rasgadas em pedacinhos, os pauzinhos de gelado de baunilha. Os sapatos pretos dançavam e o clap clap clap das solas pretas desacertavam o passo com os ti ti ti ti dos despertadores e as pessoas adormecidas viravam-se para o outro lado e dormiam mais duas horas com se fossem dez.
Zê continuou:
- Procuro o campo dos girassóis amarelos.
Aurora parou de sapatear e virando-se para o rato perguntou:
- E esse aí, é um cão perdido?
Aurora e o rato olharam Leonardo que tinha parado de rir e este respondeu:
- Eu sou Zê da tribo dos Leonardo.
E na antemanhã, Rolando, o rato, e Leonardo Zê, seguiram os sapatos pretos de Aurora em busca da passagem perdida que os levasse ao campo dos girassóis amarelos quase laranja.
A cauda de Zê apontava o norte.

foi num pé e veio no outro


o estranho caso de Leonardo Zê, parte segunda
em que o rumo perde a história para a voltar a encontrar

23 comentários:

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


... ou de como a tua história tem de ter mais duas partes uma em que a cauda de Zê aponta a leste e outra a oeste!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 12 de Abril de 2013

Evanir disse...


A esperança vive em mim,
amanhece comigo,
percorre o dia todo
e, quando anoitece, ela está ainda mais fortalecida
Desejo a você
que também tenha sempre a esperança,
que ela permaneça sempre em seus pensamentos.
Que as estrelas iluminem e guiem seus passos.
Que Deus abençoe seu final de semana.
Beijos no coração carinhos na Alma.
Evanir.

Rogério Pereira disse...

Os irmãos Grimm certamente desdenhariam da tua história, e eu perdi-me sem saber que personagem assumir. Não faz mal, a cauda de Zê apontou o norte... e eu gosto de girassóis amarelos

Mar Arável disse...

A ficção
por vezes mais real
supera o que os olhos veem

Palavras com vida por dentro

Luis disse...

Histórias com poesia ao fundo, e infinito é uma palavra tão longa, que se escreve com suavidade tão breve
:-)

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Estas histórias que nos abstraem do mundo real e nos deixam sonhar na magia dos contos infantis.

Agradeço mais este texto bem conseguido.

Luís Alves da Costa disse...

Fim de semana com Beleza para todos, não é para todos. Gloriosas imagens e textos :-)

Vitor Chuva disse...

Olá, Manuela!

Linda conto de encantar, deste nosso mundo em que ratos se misturam com gente, a Aurora vai chegando mais cedo - felizmente,e o rabinho do rato Zê aponta a Norte.Oxalá que ele tenha sorte e não se perca!

Abraço amigo, bom fim de semana.
Vitor

ONG ALERTA disse...

Bom fim de semana beijo Lisette

. intemporal . disse...

.

.

. Os dias crescem avidamente . Como cresce à passagem de cada dia . A qualidade inequívoca dos seus contos . Que nos são sonhos à mesa . A alma ao peito . E o peito em arco . Aberto . Escancarado sobre o seu mar . Todo ele Azul . Onde flutuamos .

.

.

. Íssimo . Mais do que feliz .

.

.

Kika disse...

Kriu?

Eu também sou uma espécie de Roland-Garros, mas esvoaçante.

Kriu!


Enviado do meu iFly

disse...

Atualmente já prefiro o peito à perna, por razoes que têm a ver com o meu sustentado crescimento...

Rita Freitas disse...

E eu quero uns sapatos pretos :)

Bjs

ki.ti disse...

Eu sou tita, da tribo dos kitis

e prefiro a perna do sofá para afiar as unhas

Nilson Barcelli disse...

Uma bela história, com uma narrativa de luxo.
Manuela, minha querida amiga, tem um bom resto de domingo e uma boa semana.
Beijo.

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Eu me perco, nesses porões encantados, tão repletos de magia.
Sensibilidade à flor da pele!

Beijo, Manuela

Isa Lisboa disse...

E aposto que a causa do Zé apontava para a direcção certa!

Beijo, boa semana, Manuela

=> Instantâneos a preto e branco
=> Os dias em que olho o Mundo
=> Pense fora da caixa

Mz disse...

O meu grande desejo é que Aurora seja a esperança para o nosso peludinho perdido. E que no próximo capítulo o campo de girassóis encontrem a maior alegria.

Que os sapatos pretos vos guiem:)

Boa semana para si Manuela,
Abç

Silenciosamente ouvindo... disse...

Gostei muito desta história.
Enquanto leio o que escreve
esqueço tudo.
Gostava de viver "nesse mundo
imaginário"...
Um beijinho
Irene Alves

© Piedade Araújo Sol disse...

vamos lá ver este desenrolar e saber até onde os sapatos de aurora nos vão levar....

gostei como sempre.

:)

AnaMar (pseudónimo) disse...

ah as meias que acordam pirilampos.
Tive umas cor de laranja, que me acordavam sonhos (que ainda tenho:-)

(mas aguardo pelo caminhar dos sapatos pretos de Aurora)

É tão bom vir até aqui.

b
e
i
j
i
n
h
o

Kika disse...

Kriu?

Eu não tenho a perna nem a anca gorda, mas as unhas, as minhas unhas estragam tudo...


Kriu!

Graça Pereira disse...

Manuela
Que dizer senão que acabo de "ver" um filme maravilhoso...Meias que acordam pirilampos? Sapatos pretos que fazem tap, tap, na calçada?
E a Aurora que chegou cedo para iluminar ainda mais esta história onde há um campo com girassóis?
Parabéns, minha querida.
Mil beijos.
Graça