RECONTO E PARTILHO UM CONTO

Deixava palavras por todo o lado, em cima da mesa, no parapeito da janela, no banco do jardim, dentro dos bolsos. Entrava sorrateira, quase invisível, nos blogues dos outros, nas conversas dos outros e ria-se e fazia-os rir e contava uma história e recontava a história dos filmes da sua vida e de quando era pequenina, tão pequenina e a terra onde morava era tão grande, com o mar ali ao fundo sempre ali ao fundo, as algas, os caranguejos, os sargos, os meninos doentes que apanhavam sol para ficarem curados e tantas vezes não ficavam curados e não voltavam mais e não jogavam mais às cartas nem ao prego e tinham saudades tantas saudades das cartas e do prego.
Às vezes pensava que seria fácil lançar-se em pixeis e bytes, formatações, definições, esquemas, deitar fora a sua identidade anónima, cinzenta ou então roubar a identidade de alguém, perfeitamente possível no mundo virtual e numa casa onde apenas existem dois computadores, um dos quais é nosso velho amigo e não gosta de Internet e onde as palavras-passe são deixadas em post it’s mesmo à frente do nosso nariz e da nossa cobiça.
E numa tarde de um Verão pasmado em calor e tédio, esgotados os livros, emborrachados os lápis colados aos dedos, desfeitos, borrados em pastel e óleo, o gelo quebrava-se na gaveta do frigorífico, lá fora o pássaro de corda lançava na quietude das árvores o seu último grito, num impulso que rasgava a monotonia do tempo clicou criar e criou, inseriu, formatou, procurou, editou, viu e olhou-o.
Estava bonito, deslavado nas cores e nas letras, cheio de água por todos os lados.
Ele disse-lhe "Esta é a página primeira onde experimento o azul do mar e a força do vento.", ela respondeu "Experimenta!" ele perguntou "Tens ideia do oceano imenso onde te vais perder?", ela respondeu "Não tenho!"

-
Esta foi a forma que eu encontrei
de me ler e ser lida
umas vezes fogo outras vezes água
partilhando as histórias de vida de uns
as histórias de amor de outros
os versos
as prosas
os devaneios
os sonhos
as fotos
os desenhos finos
e o colorido dos óleos
as solidões
os medos
as crenças
os passados
as saudades de futuro
as asas
e as pétalas a mais.
Tocando e deixando-me tocar.
-
Aqui está, Maria Emília a resposta ao seu desafio "Porque fiz o meu blog" e como no dia 2 e Agosto de 2009 as "HISTÓRIAS COM MAR AO FUNDO" surgiram à superfície da água.
Até nem era necessário contar-lhe, porque, lembra-se? a Maria Emília estava lá, entre o Jaime e a Filomena, com estas palavras: " Nós somos os profetas da nossa própria vida. Arautos dos propósitos que vêm dar sentido à nossa existência."
-
-
Manuela Baptista
Estoril, 27 de Fevereiro 2010

44 comentários:

direitinho disse...

Como esta vida é tão cheia de palavras.
As que fazemos
As que dizemos
As que perdemos
As que ouvimos
Mas nunca pensei
Naquelas que trazemos
nos bolsos
Ou que encontramos
Espalhadas na mesa
Onde trabalhamos

manuela baptista disse...

Apanhe-as, Luís!

Guarde-as na caixa dos tesouros...
Sobretudo as que estão espalhadas na mesa, podem sempre ficar cheias de café!

um abraço

Manuela

casos e acasos da vida disse...

Ainda bem, que tudo deu certo para surgir o seu blogue, porque de facto tem muito de si a partilhar, mas não perca as palavras, não me faça gritar por elas, já me viciei neste encanto!...
Beijinhos,
M.

Jaime Latino Ferreira disse...

NÓS SOMOS OS PROFETAS


"Nós somos os profetas da nossa própria vida. Arautos dos propósitos que vêm dar sentido à nossa existência."

Escrevia a Maria Emília ...

Eu acrescentaria que se somos tudo isso e já não é pouco somos ainda construtores a pulso dela mesma, da nossa existência!

E em tudo isso e no que escreves se ergueram o teu e o meu blogues ...

Um, o teu, contando histórias, o meu reflectindo sobre factos e ambos sobre a existência e poemando também!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 27 de Fevereiro de 2010

Benó disse...

E ainda bem que as histórias aparecem com mar ou sem mar mas, sempre lindas de se ler-
Continue a juntar palavras e a transportá-las para o nosso conhecimento e satisfação.
Bom fim de semana.

*Lisa_B* disse...

Querida Manuela,

abençoada a ideia e o pc velho ou não que lhe permitiu chegar até nós com as suas palavras, seu rir e partilhar...são pérolas neste Oceano que é o seu Mar aí ao ladinho de casa.

Lindo conto real... origem do desafio da M.Emilia num: porque se iniciou o blog?

Vou tentar em poucas frases postar o meu "porquê" embora não ao mesmo tempo... mas talvez amanhâ.

Beijinhos para si e marido pois são um dupla fantástica e com um nasceu o outro blog.

Beijinhos doces para todas as amigas e amigos que aqui passam.

Brancamar disse...

Pois Manuela,gostei muito de saber como nasceu o seu blog, embora já imaginasse que foi mais ou menos assim. Já antes tinha lido alguns comentários seus.
Ainda bem que foi apanhando os papelinhos e fazendo o puzzle de bonitas e originais histórias.
Realmente não sabe no que se meteu, mas é da inconsciência e do risco que saem grandes obras e também grandes amizades.
Desde que por cá ando tenho encontrado muita gente boa, é por pessoas como vós que continuo.
E, quando tiver os seus momentos de cansaço vai ver que vai sentir o mesmo. Fica-se agarrado àqueles que connosco partilham ideias, momentos de vida e tantas outras coisas, o que prova que nem tudo é mau na net, é só uma questão de escolha.
Parabéns por ter tido a coragem de arriscar e continuar a encantar-nos com a sua escrita.
Beijinhos
Branca

manuela baptista disse...

Marisa

as palavras, não as perco!

às vezes deixo-as por aí...

Beijinhos

Manuela

manuela baptista disse...

Jaime

é bom não esquecer e confessar, que os assaltos perpetuados eram ao teu blogue, prenda da Filomena!

construindo existências

Manuela

manuela baptista disse...

Benó

que saudades do seu Algarve!

Aí, nessa ponta de Sagres é que o mar é bravo, não é?

beijinhos e obrigada pelas palavras

Manuela

manuela baptista disse...

Lisa

vamos embora, contar a sua história! Assim uma boa ideia vai crescendo...

Beijinhos

Manuela

manuela baptista disse...

Branca

é verdade, a Branca já há muito que me lia por aí!

e agora estamos as duas aqui...

e ficamos a gostar das pessoas ou das suas palavras?

somos avatares, mas temos rosto e voz :))

eu até tenho saudades quando vocês não aparecem!

Beijinhos

Manuela

Maria Emília disse...

Claro que me lembro, Manuela, desse dia dois de Agosto do ano passado. E em boa hora profetizou as suas belas histórias.
Obrigada pela sua colaboração.
Já fiz o link no meu blog.
Um grande beijinho,
Maria Emília

walter disse...

Bom dia Manuela,

De facto era mais ou menos assim que a imaginava, tal como se [des]escreveu...
Ainda bem que se meteu na aventura que é seu blog, mas outra coisa não seria de esperar, pois é uma mulher de desafios.
Seus ecos estão por todo lado, sejam eles escritos em post it's ou por entre fios.
Os blogs podem até ter data de expiração, os ecos que ficam que nem melodia de vento jamais.

Meu blog inicialmente foi criado apenas para ver como se construía, não tencionava colocar lá coisa alguma, só que esqueci de o abortar:)) e assim ficou durante meses vazio, tristinho tristinho...
Não sei como, mas uma amiga no Brasil o descobriu e me perguntou para que queria eu um blog vazio?
Eu nem lembrava mais que tinha um blog aberto...:))
E foi pressionado por essa amiga (quase na amarra), que lá fui colocando umas coisinhas, a medo confesso, pois sempre tive dificuldades em lidar com a exposição pública. Recordo que fugia para o mar, sempre que inaugurava uma exposição de pintura, inventava sempre uma história mirabolante:)) só para não estar presente...hoje cansei das exposições de pintura, mas já lido melhor com a exposição pública, aprendi com os anos, com tudo o que tem de bom e mau nestas andanças...
Já viu? acabei também por lhe contar como tudo começou!

Olhe Manuela, só pela amizade partilhada e pelo carinho recebido por pessoas como você, já valeu a pena sim, ter colocado umas coisitas lá no meu blog e quando este expirar, não expirará a amizade tanta que lhe tenho.

Obrigada pela partilha

Beijinhos

Filomena disse...

E foi mais uma linda história que nos contou, a da criação do seu blog

Beijinhos e bom domingo

manuela baptista disse...

Maria Emília

e obrigada pelas sua boas ideias!

beijinhos

Manuela

manuela baptista disse...

Walterrrrrrrrrrr!!!

(este é o meu eco)

gostei de saber a história do seu blogue, mas bonita, bonita é a história do tímido pintor em fuga para o mar...posso escrevê-la?

Eu também era tão tímida, tão tímida que, quando chegavam visitas a nossa casa, escondia-me debaixo da enorme mesa da casa de jantar. Toda a gente sabia que eu lá estava, mas não me chateavam...A mesa era assim uma espécie de armadura contra os mouros!

Mas os seus quadros e fotos e porque não? os textos, não são umas coisitas!
Se visse os meus desenhos...e no entanto gosto de pintar.

O Walter tem sotaque brasileiro? Parece-me, ao ouvir a sua voz :)))

pela amizade, tanta! que também lhe tenho

um beijo

Manuela

manuela baptista disse...

Filomena

e se não fosse a menina...eu não sabia nada!

beijinhos

Manuela

walter disse...

Manuela,

Escreva sim o que lhe apetecer, os pintores têm sempre histórias para contar e agora conto-lhe resumidamente mais uma: um dia apareceu numa exposição que realizei, uma senhora de idade já avançada, que me disse não saber letra alguma, no entanto dizia saber ler as minhas telas. Apaixonou-se por um quadro com uma lua gigantesca derramando gotículas de leite sobre uma terra árida. Queria tanto pendurá-lo ao fundo da minha cama - dizia ela. Recebia uma mísera reforma, no entanto, perguntou-me se aceitaria vende-lo em suaves prestações.
Disse-lhe já estar reservado,(não estando), lamentava por isso. Ficou triste e lá foi à sua vidinha. Tratei de saber quem era e imediatamente coloquei um papelinho dizendo reservado junto do quadro. Quando a exposição terminou, mandei entregar o quadro na sua casa, com um recado escrito a ser lido pelo mensageiro, que dizia mais ou menos assim: "cara senhora, este quadro estava reservado sim, para sortear entre todos os visitantes, coube-lhe a sorte de ser a feliz contemplada. Vá... pendure lá o quadro ao fundo da sua cama."
Parece que a senhora caíu em prantos e disse só aceitar por ter sido um sorteio. Graças a Deus, que acreditou na minha mentirinha!
Não sei se a senhora ainda é viva, pois já se passaram muitos anos, mas quero acreditar que este meu quadro ainda esteja pendurado aos pés de uma outra cama que seja.
Esta é porventura a melhor das recordações que tenho nas andanças pela arte.

Sobre meu sotaque brasileiro:)))
De tantas idas e vindas, de tantas cartas trocadas, de tantas amizades cultivadas com nossos irmãos de terras de Vera Cruz, acabei sofrendo deliciosamente de uma certa aculturação:)) Tem vezes que nem sei mais se o termo é de cá ou de lá, misturo tudo num samba de uma nota só. Depois quase toda a discografia que tenho é de lá, e por aí adiante...
Realizei também exposições de pintura por lá... enfim!

Caraca!!! até meus seguidores são quase todos de lá...

Beijo grande Manuela
Beijo grande Brasil

Eva Gonçalves disse...

Em boa hora te lembraste de navegar por entre este mar azul com arcas de tesouros e palavras que vão subindo à tona, para serem desfrutados pelos diversos navegantes que por cá passam, :)Beijinhos e bons ventos te levem!

manuela baptista disse...

Walter

agora é que as minhas amigas brasileiras vão gostar de vir aqui!
A Linda tem um blogue só de musiquinhas e de sambas de uma nota só, mas às vezes esquece-se de lá pôr as músicas...vá lá espreitar...

Essa história verdadeira que me acabou de contar merece mesmo uma moldura de ouro, é tão bonita!!

um beijo

Manuela

manuela baptista disse...

Evaaaaaaaaaaa!

é oooooooooo ventoooooooooo
que me levaaaaaaaaaaa!

até já navegante!

um beijo

Manuela

Canduxa disse...

Manuela,

e cheio de magia nasceu o mais lindo blogue de histórias que eu conheço.
Somos Mestres de nós próprios e quando não tememos o mar e o fogo…
quando olhamos com amor tudo o que nos rodeia,
quando sabemos roubar as histórias de quem nem conhecemos,
de uma forma tão encantadora,
só pode nascer uma obra de arte.
Não me lembro o dia em que a conheci,
não estive presente nesse 2 de Agosto de 2009 ...
mas fico grata ao Universo por já ter lido muitas das suas histórias.

muitos beijinhos

manuela baptista disse...

Pois é Canduxa!

Em Agosto não estava, mas no Natal já por aqui andava, a ver estrelas e a fazer fogueiras na noite escura...

eu é que agradeço a sua amizade!

beijinhos

Manuela

Brancamar disse...

Manuela,

Mesmo já tendo comentado, vou passando por aqui e os blogues também têm coisas destas, vimos ler as respostas qe nos dizem respeito e o que outros amigos escrevem.
Hoje foi um dia em que este espaço serviu para me emocionar imenso. Pessoas como o Walter são uma emoção para mim, mas isto é uma velha história, as pessoas sempre me disseram muito pelo que dão ao mundo, independentemente do que me dão a mim.
Quando dar é um objectivo de vida, é uma emoção ver proporcionar felicidade aos outros.Já percebi que o Walter é de uma generosidade ímpar e demasiado modesto, por isso fugia para o mar, :))
Quanto à sua pergunta "...e ficamos a gostar das pessoas ou das suas palavras?", pois tudo depende da sinceridade que sentimos nas palavras, das afinidades. As pessoas são mais a alma que o invólucro e felizmente até hoje, depois de já ter conhecido pessoalmente alguns amigos virtuais, ainda nenhum me desiludiu, o aspecto até podia ser muito diferente do imaginado, mas o resto, o essencial estava todo lá. Muitos já conhecia antes por fotografia, mas todos gente de bem, todos iguais ao que sempre senti neles.
Muitas vezes este mundo torna-se imenso, vamos sendo procurados ao longo dos anos por uma imensidão de pessoas e vamo-nos sentindo até pouco correctos por falta de resposta a todos, que se torna impossível, mas há sempre os amigos permanentes que vão sendo quase reais e são-no às vezes tanto ou mais que aqueles que estão connosco todos os dias, alguns tanto mesmo que aprendemo a amá-los com os seus defeitos e virtudes, como se vivessem ao nosso lado, como se fossem nossos irmãos.
Nunca pensei que isso fosse possível quando abri o meu blog, que foi aberto assim de forma mais ou menos inconsciente como a do Walter, para ver como funcionava, coloquei o primeiro poema e depois foram aparecendo um a um, lentamente, os primeiros comentadores. Já muitas vezes por falta de tempo, cansaço ou outras razões me apeteceu desistir, mas acabei por nunca ser capaz, pelas pessoas a quem já estou muito ligada.
Deixo beijinhos.
Branca

walter disse...

Agarre lá a história que nem um posseiro. Posseiro? Acho que é aquele cesto alto de levar na cabeça carregado de uvas, não é?

A gaivota não deu trabalho algum, ela é que teve uma trabalheira danada comigo: como ainda não consigo voar muito bem, por conta da asa esquerda meia derrubada, teve que me carregar nas suas asas para todo o lado. Veja só: até me fez umas torradinhas!:))))

Tenha uma boa noite

Linda Simões disse...

Manuela,


que BOM que você está aqui.E nos encontramos!

E somos Tertulianas!EITA!

Com o MAR ao fundo.


BEIJÃO


Linda Simões

manuela baptista disse...

Branca

na invisibilidade dos amigos compostos de palavras e sons

percebemos de facto, muito bem, quem tem ou não um coração de ouro!

A esses, não os podemos perder, pois não andamos aqui a falar sozinhos...

Fez bem vir para aqui pensar!

beijinhos e boa semana

Manuela

manuela baptista disse...

Ó Walter!

"aquele cesto alto de levar na cabeça carregado de uvas"??

Agora é que me fez rir!

"se instalou feito um posseiro
dentro do meu coração"

é um pedacinho da letra de uma canção de Chico Buarque, da "Ópera do Malandro" chamada "Teresinha" e cantada, nomeadamente por Maria Betânia.

"posseiro" significa o que tomou posse, invadiu, conquistou, é uma palavra que eu acho muito bonita e que nós portugueses, não usamos.

boa semana, meu'rmão!

um beijo

Manuela

manuela baptista disse...

Linda

veja lá se eu expliquei bem ao Walter o que é "posseiro"...

que é exactamente o que a Linda fez por aqui

instalou-se feita um posseiro no nosso coração!

beijinhos

Manuela

Por toda minha Vida disse...

Oi, Manu.

É esta semana que passou vi de perto a violência, um assalto na rua que moro e o ladrão pulou para dentro do Colégio que meu filho estuda e olhe que lá tem seguranças, cerca elétrica infelizmente havia um ponto o muro da casa de um senhor idoso que fazia sua caminhada diária e veio rendido por dois ladrões que o amarraram. Por isto vim até aqui ler um pouco e me distrair.

Beijo

manuela baptista disse...

Renata

tanta violência! O modelo da nossa sociedade esgotou, mesmo...

beijinhos

Manuela

walter disse...

Ahahaha...agora sou eu que estou para aqui a rir que nem um tolo, de mim próprio, claro...

Eu não falei que misturo tudo!?
agora lembro da canção e de algumas vezes ter ouvido por lá o termo "posseiro".

Acabei de ligar à minha mãe por causa disso e de facto ela me disse que um posseiro lá na aldeia é efectivamente um cesto alto de vime que as mulheres antigamente transportavam à cabeça com as uvas, assim como outras frutas e vegetais, sendo a posseira mais baixa e larga. Hoje são de plástico.
Neste caso é possível que em vez de levar dois ss, seja com c...será?
Olhe que a origem do "posseiro" pode mesmo ter vindo do tal posseiro ou "poceiro de uvas":))))

Me estou divertindo muito com esta posseirada:))) eita tema interessante!
Não paro de rir:)))))))))))))))))))))))))) vou vindimar com meu posseiro para outra vinha!

Um posseiro cheio de beijos

manuela baptista disse...

Walter

agora sou eu que peço desculpa, pois não sabia que esses cestos tinham este nome! E conheço o Douro, como a palma da mão...

Eita mesmo!

um beijo

Manuela

manuela baptista disse...

AHHHHHHHH!

posseiro e poceiro!

eu é que estou lentita...só percebi após o jantar.

Manuela

walter disse...

Olhe não encontro nem um nem outro no dicionário!
Talvez depois da ceia, ou então depois de trocar de lentes:)))

No norte pode até ter outro nome...

um poceiro de uvas para si

walter disse...

Manuela,

Estava aqui a pensar: também sou um poceiro. Porquê? Ando sempre a meter a pata na poça:)))

É melhor não publicar, olhe que o pessoal ainda vai pensar que se enganou no blog...:))

Este é o meu maior dom: rir-me desalmadamente com os meus disparates e muitas vezes com a minha própria ignorância...)))


Boa noite Manuela, agora vou para o óó, pois tenho que dar o litro a partir das 6 da manhã.

manuela baptista disse...

WalterRRRRRRR!

acorde! são 6 da manhã!!

"poceiro" vem no dicionário de português e entre outras coisas que, como muito bem diz, metem água,significa cesto usado nas vindimas

"possseiro" já não sei em que dicionário vem porque afinal os Brasileiros falam português!

Aqui no Estoril também há a praia da Poça, que as gentes do Norte chamam da "Pouça".

Isto já está a meter água por todo o lado.

Durma bem e boa noite a todos os que caladitos, tiveram a paciência de nos aturar

um beijo

Manuela

Dulce AC disse...

"...as solidões
os medos
as crenças
os passados
as saudades de futuro
as asas
e as pétalas a mais.
Tocando e deixando-me tocar"

Lindíssimo Manuela.
Adoro vir aqui ao seu blog, para viver as histórias. Encantamentos que sempre precisamos em algum dos nossos dias. Reflexões...
Um beijinho grande.
Talvez ainda volte amanhã, mas hoje estou já bastante cansada.

dulce ac

manuela baptista disse...

Dulce

eu também já estou com os olhos meio fechados e ainda não comentei a página do Jaime...

Volte sempre!

beijinhos

Manuela

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA E WALTER


Pouça!!!


Posseiro
que posseirão
poceiro
pouça
então
não querem que não acabe
meter água
exaustão


Bom dia!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 2 de Março de 2010

manuela baptista disse...

Jaime e Walter

escreve-se poça tanto para a "pequena quantidade de água" e diz-se "póça"; como para dizer "Irra!" e lê-se "pôça"!

boa tarde!

Manuela

Jaime Latino Ferreira disse...

Poça!!!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 2 de Março de 2010

Ana Martins disse...

Há sempre um porquê para tudo... As palavras agora não ficam mais nos bolsos ou espalhadas em cima da mesa, agora as palavras ficam aqui, para quem as quiser ler e apreciar.

Beijinhos,
Ana Martins