ABANDONO

Era uma vez um homem corajoso que tinha medo do nevoeiro. Não temia as trovoadas, os vendavais, a chuva forte, o desânimo, a saudade, a inveja ou o desamor.
Se a trovoada for grande, dizia, eu sei calcular o intervalo entre o ribombar do trovão e a queda do raio, terei assim tempo para me preparar.
Se o vendaval vier, protejo o telhado, tranco as portas e as janelas da minha casa e desço à cave onde não ouvirei o seu silvar.
Com a chuva, subirei ao sótão ou à árvore mais alta do meu jardim e se não resultar, construo uma jangada com a madeira da árvore e as cordas grossas que guardo num saco comprido e cinzento.
Do desânimo, não conheço a cor, mas sei que sou forte e quando chegar, mostrar-lhe-ei os tons do Outono, a lua no céu, os livros que li e contar-lhe-ei dos países que visitei, do odor do caril em prato de prata e do sabor do pão com manteiga em tarde de frio.
Da saudade, espero que venha e me faça chorar, mas falar-lhe-ei de um violoncelo em lamento sonoro, das fotografias que não tirei, das palavras que não disse, da procura do tempo e da consolação de um riso.
A inveja terá lugar, se eu for senhor de riquezas, de casas, de pontes, se eu construir impérios apenas para mim, se a operação eleita for apenas multiplicar sem cuidar de dividir. E se o invejar, for do brilho de um olhar ou do aceno de uma mão, já não será inveja mas mesquinhez e essa desfaz-se como a espuma de uma onda.
Do desamor, aperceberei os contornos, desejarei que não se instale ao meu lado como um vizinho louco, mas se isso acontecer, bastará emprestar-lhe metade do amor que tenho e já não será desamor, mas a essência de um amor.
Mas do nevoeiro desconheço tudo.
Instala-se devagar, viscoso, lodoso, deforma os ramos das árvores, duplica o desenho dos rios, faz naufragar os barcos perdidos e torna invisíveis os rochedos do mar. Entra pelas frestas das portas, pelas chaminés e pelos buracos das fechaduras. Traz o som enganador dos lamentos, dos murmúrios e das histórias por contar.
Os meus olhos permanecem abertos mas nada vêem, as minhas mãos estendem-se trémulas e inseguras e não encontram nada, os meus sentidos estão alerta, mas nada sinto, escorregadio como alga, vazio como a solidão.
Acendo todas as luzes da casa, as velas das festas de aniversário, os LED's e as gambiarras de Natal. Agarro nas cadeiras velhas e nos baloiços, desfaço-os e ateio fogueiras gigantescas que chamuscariam as estrelas se as estrelas se vissem e tudo continua translúcido e vago.
E o homem corajoso, que não temia as trovoadas, os vendavais, a chuva forte, o desânimo, a saudade, a inveja e o desamor, pensou:
- É belo e sereno o nevoeiro e é isso que me faz vacilar.
-
-
Manuela Baptista
Estoril, 26 de Novembro 2009
-
foto - Ghost boat
© Shlomi Nissim

31 comentários:

Jaime Latino Ferreira disse...

NEVOEIRO


Nevoeiro meu
tão sereno como um véu
minha vontade de ser
o que se ergueu no meu céu
cantas como uma suite
pausada
onde eu vi-te
beleza mansa que ouve
sereia que me acode


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 26 de Novembro de 2009

Mariana disse...

Nossa, que lindo!
gostei muito.
é de tua autoria?
beijos

REBELDE disse...

Lindo gosto,gosto mesmo Bjs.

Jaime Latino Ferreira disse...

MARIANA


Boa Amiga,

Deixa-me, agora, numa situação desconfortável:

Refere-se, estou certo, ao conto de minha mulher mas vindo o Seu a seguir ao meu comentário, referir-se-á também ao meu poema!?

Desculpe-me, Seu


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 26 de Novembro de 2009

manuela baptista disse...

Jaime

Obrigada meu sereio, está bonito!

Manuela

manuela baptista disse...

Mariana

O conto é meu,claro!Quando cito outros autores assinalo-os devidamente. Já as fotos são todas alheias...

O poema do Jaime, também é dele :)!

Beijinhos

Manuela

manuela baptista disse...

Rebelde

e as suas máscaras

Gostei que tivesse gostado!
E elas?

Um beijo

Manuela

Filomena disse...

Manuela,

Por vezes a serenidade assusta, desencoraja, afasta... por vezes.

Compreendo este homem que se prestava a lutar contar tudo e contra todos, excepto com a cortina serena do nevoeiro


Um beijo

manuela baptista disse...

Por vezes, Filomena!

especialmente quando somos nós os serenos.

Beijos

Manuela Baptista

Dulce AC disse...

Manuela.

Mais uma
Uma história com mar ao fundo
...
Maravilhosa(!)

Um homem corajoso com medo do nevoeiro,
só este o fazia vacilar,
enquanto belo e sereno.

Mas a história deste homem que não gostava do nevoeiro...
Corajoso

A mim não me faz vacilar

Porque talvez
talvez não o esteja
tão serena (..)
E procure hoje um tempo
naquela,
naquela que é a consolação de um riso.

Muito bonita também esta história, Manuela!

Beijos e um abraçinho grande sereno.

Dulce

J. Ferreira disse...

Serenamente,
Irrequieta,
Como sempre,
Com belos contos,
Nunca brumaceiros

José Ferreira

manuela baptista disse...

Dulce

apenas temos saudades daquilo ou daqueles que amámos

assim

houve um momento em que os tivemos.

É verdade, também temos saudades de futuro!

Um beijo

Manuela Baptista

P.S. o combóio afinal vai chegar atrasado...

manuela baptista disse...

Obrigada José

pelos brumaceiros.
Achei uma palavra linda!

um abraço

Manuela Baptista

Linda Simões disse...

Mais um conto que encanta,serenamente.


..."Da saudade,espero que venha e me faça chorar"...

De alegria por ter vivido e amado.

...


Beijoquinhas

Ana Cristina disse...

Até o silêncio se adensa numa noite,manhã ou tarde de novoeiro.

Tudo fica estranhamente estranho.

Se estendermos o braço perdemos de vista os dedos da mão.

Mesmo os menos serenos ficam assustados com a calma implacável e impertubável do nevoeiro.


"The Fog"(1980)- by John Carpenter

"John Houseman sits around a campfire telling children about the story of a ship that went down near their home Antonio Bay and how the drowned sailors will reappear 100 years to that very night in the fog..."

1 abraço.
Ana Cristina

Dulce AC disse...

Manuela.
Olá.

Atrasado o comboio...
talvez não (!?)

nós é que normalmente
andamos aceleradíssimos e só por isso,
talvez só por isso
o comboio não chegue a horas ao apeadeiro onde estamos
onde o esperamos...

Mas o comboio
esse, não virá atrasado...

Muitos beijinhos,

dulce.

manuela baptista disse...

..."Da alegria por ter vivido e amado"...

...do amor por ter sonhado e desejado.

em parceria com a Linda

a quem dou um abraço

Manuela Baptista

manuela baptista disse...

Ana Cristina

a minha memória é rasteira com os filmes que vi...

Como os marinheiros afogados

como o holandês voador.

Estenda lá os dedos, está a vê-los?

um beijo

Manuela

manuela baptista disse...

Dulce

tem razão!

A não ser que experimente apanhar um comboio na companhia do Jaime.
Apanha sempre o comboio anterior...

um beijinho

Manuela

Graça Pires disse...

O nevoeiro da nossa espera...
Belíssimo conto, que li e reli com um gosto imenso.
Um beijo

manuela baptista disse...

À Graça Pires

por ter lido e relido
com gosto

um beijo

Manuela Baptista

manuela baptista disse...

Ao José Ferreira

que me dá a honra de ser meu seguidor

um abraço

Manuela Baptista

Contracena disse...

talvez este homem não fosse assim tão forte e corajoso, se perante um "nevoeiro" belo e sereno, vacilava
conheço um "nevoeiro" feio e intranquilo. Não permite vacilar!

Um abraço!
Fátima.

J. Ferreira disse...

Manuela,

Tal como a pescada, já o era antes de o ser!

A formalização agora efectuada, como seguidor, não é mais que uma praxe processual.

Não é, portanto, para agradecer posto que,

substantivamente, já o era e continuaria a se-lo, mesmo que não tivesse executada a praxe.

Um abraço,

José Ferreira

Unseen Rajasthan disse...

Beautiful words !! Liked the post !!Enjoyed the post..Unseen Rajasthan

. intemporal . disse...

"

e o homem corajoso, que não temia as trovoadas, os vendavais, a chuva forte, o desânimo, a saudade, a inveja e o desamor, pensou:
- É belo e sereno o nevoeiro e é isso que me faz vacilar.

"

. é supreendente o reflexo no convexo da íris ,,, que vacila e até oscila perante a serenidade da beleza .

. natural e latente . a ser luz aos olhos da gente, que anseia por olhar em frente .

. bel.íssimo,,, Manuela .

. e levo comigo tantos sentimentos re.inscritos na pele de uma tatuagem perene . e ampla.mente vacilante .

. um beijo total,,, .

. um bom Domingo .

. grat.íssimo pela presença na constância, junto de mim .



. paulo .

manuela baptista disse...

À Fátima

um intranquilo abraço!

Manuela

manuela baptista disse...

Unseen

be seen!

Manuela Baptista

manuela baptista disse...

Paulo

da sua presença
constante

guardo também a luz

de um bom e primeiro Domingo do Advento

um beijo

Manuela

Canduxa disse...

Nevoeiro
enganador
branco
frio
faz vacilar
Chama-nos
não há certeza
mas há estrelas
que brilham
do lado de lá

Manuela,
Belo e sereno é o nevoeiro que um homem forte teme....só porque não sabe o que existe do lado de lá.
Eu acredito no brilho das estrelas,
na luz que nos espera....

mais um belo conto...adorei!

beijinhos

manuela baptista disse...

Beijinhos Canduxa!

Manuela