CONTO POLIFÓNICO

(Maggie Taylor)
-
largou as tintas
os pincéis
o cavalete
a água rás despejou-a nos canteiros
zangado com as flores
murchas
toscas
abismadas num Verão seco
cruel
cruel é o abandono dos risos
quando a esperança se lança às urtigas
a menina não estava para lhe dizer adeus
para lhe pedir uma bolacha
posando rasteira
em sorrisos de rosas
as telas
guardadas em papel pardo
se papel pardo ainda existisse
parda a sorte que se tem
de uma viagem sem regresso
sem acesso
um abcesso
no mar azul da Córsega
-
Esta é a página décima onde dizemos adeus em polifónico canto, ao pintor que habitava a Casinha do Jardim.
Manuela Baptista
Estoril 19 de Agosto 2009

11 comentários:

Jaime Latino Ferreira disse...

É verdade, o pintor que habitava a Casinha do Jardim foi-se embora ...

Foi-se embora para a Córsega, sua terra natal, onde tem os pais doentes e amargurado com a vida que aos artistas, não sendo consagrados, os deixa quase a pão e água, à míngua!

Ainda lhe escrevi um artigo que ele me pediu, eventualmente a ser editado numa revista da especialidade e onde, do fundo, falava do que achava da sua pintura o que muito o sensibilizou ...

Ficámos com dois quadros que ele nos ofereceu e que, a nós, também muito nos gratificaram.

Até qualquer dia Jean!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 19 de Agosto de 2009

Ana Cristina disse...

Pois é Jaime,esta é a realidade!

"O mal ganha sempre.
Se os bons não lutarem para o derrotar." (desconheço a autoria mas é daquelas frases que retratam bem as facetas actuais e permanentemente reproduzidas da nossa sociedade).

1 abraço e boa viagem ao Jean(L'important c'est la rose)
Ana Cristina

Jaime Latino Ferreira disse...

ANA CRISTINA


Minha Querida,

Mas esse 'se' que alega ou a rosa de tão insignificantes que parecem, fazendo toda a diferença são demasiado importantes!

Um beijinho

( ... andamos para aqui num frenesim, tu cá, tu lá, assim é que é! )


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 19 de Agosto de 2009

manuela baptista disse...

Estou aqui, estou a lutar! Ou estou a ali e também estou aqui?

Como vêem o real é sempre imaginário.

Beijinhos aos três,

Manuela Baptista

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA


Estás aqui e ali, estando aqui também estás ali e vice-versa e onde quer que tu estejas, como eu, estás sempre a lutar!

Beijinhos aos n


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 20 de Agosto de 2009

Jaime Latino Ferreira disse...

MENINAS


Então, esqueceram-se de vir fazer mais desacato, agora por aqui?

Que é isso!?


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 21 de Agosto de 2009

manuela baptista disse...

Vim aqui a esta página séria, só para dizer que a preguiça é uma coisa contagiosa e hoje não há mesmo nada para inventar.

Até amanhã.

Manuela Baptista

Alegria disse...

Que belo, pintura e texto, apaixonante, obrigada por ter este espaço e permitir minha entrada.
Apesar de que belo e triste essa amargura esta espalhada pelo mundo, onde ainda existem artistas desconhecidos, contudo não esquecidos. O mundo tecnológico esqueceu de melhorar alguns valores e esqueceram tantos outros.
Lamento por teu amigo.
Beijo.
Renata Vasconcellos.

manuela baptista disse...

Renata

Em tempos de crise as pessoas privam-se do que é belo, ou os artistas são sempre seres solitários?

Fico feliz em saber que gosta de fazer estas leituras e de ter por aqui mais uma pessoa que sabe pensar.

Um beijinho

Manuela Baptista

Maria Emília disse...

A despedida foi bonita, orquestrada pelo Trio Soledonna.
Bela ideia para a tornar menos difícil. Não será um adeus, mas um até sempre.
Um beijinho,
Maria Emília

manuela baptista disse...

Maria Emília

Até à próxima Página!

Um beijinho

Manuela Baptista