dancing in the light







Chegaste cedo demais, murmuraram as pequenas garças enquanto bicavam os peixes do rio. Olharam-na de lado, na presunção da sua diferença, esguias, bico preto e na certeza de que aquele território lhes pertencia no tempo e no espaço. Era certa a leveza e a graça das mais pequenas, como incerto era o seu corpo grande, pesado, desajeitado.
A grande garça observou as residentes com curiosidade, verificou que continuavam pequenas, numerosas e ruidosas e abrindo o seu enorme bico amarelo, gritou, aturdida e feliz por estar ali, no açude, no estuário, no lago, no pântano, no arrozal. Esticou o pescoço, sentiu a direção do vento e aquele arrepio que vem com o entardecer. Em breve os dias mais curtos e a noite a crescer, por isso chegara, nessa hora, nesse prematuro dia. 
O canto dos salgueiros e dos canaviais encheu-lhe a cabeça de música. E abriu as asas, soltou as penas e as plumas e dançou a desafiar a luz.
































8 comentários:

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA



... e encheu de luz a desafiar talentos ...



Jaime Latino Ferreira
Estoril, 8 de Setembro de 2017

Mar Arável disse...

Aprender aprender sempre
Bj

mz disse...

Uma garça bailarina.
Muito bonito,Manuela.

Beijos

Graça Pires disse...

Uma dança a desafiar a luz para que as sombras não pesassem em suas asas...
Maravilhoso, Manuela. Tudo: o texto e os desenhos. Encantatório, mesmo...
Um beijo, minha Amiga.

Beatriz disse...

Me transportei para um lago azul e me senti uma das garças pequenas querendo voar....

Linda semana Manuela!

Bia
www.biaviagemambiental.blogspot.com

Luis Alves da Costa disse...

As garças das margens frescas, vigilantes dos oceanos baixos, não querem nuvens nem torpor, rege-as a voz canora das ervas baixas

Fá menor disse...

Beleza! Leveza!

Tão perfeito!

. intemporal . disse...

.

.

. a magia é um lugar tão terno . e aqui,,, tão presente .

.

. íssimo feliz .

.

.