espécie






Falo-te destas coisas, simples como as folhas do loureiro, para que as guardes na memória e depois as contes e as voltes a recontar. Acrescenta um ponto ou dois, mas deixa espaço entre as linhas e os parágrafos, como entre as pausas e a melodia. Se é assim na música, porque não o seria com o arroz de açafrão? Esta é a especiaria mais cara. Em cada flor roxa crescem apenas três estigmas carmim, que dão o perfume, a cor, o sabor e são necessárias quinze mil flores para obter cem gramas de açafrão. Coloca-se uma medida de arroz jasmim no fundo de um tacho, uma colher de chá de sal, duas medidas de água e quando esta ferver, solta-se uma mão-cheia dos estigmas secos de açafrão, tapa-se o tacho e deixa-se cozer em lume brando durante dez minutos. Saboreia-se acompanhado, ou não.
E no entanto há um outro, açafrão-da-terra, curcuma, raiz-de-sol, açafrão-da-Índia. Uma raiz como o gengibre que depois de seca e moída dá um pó amarelo-torrado e podemos cozinhá-lo, tingir um vestido, pintar uma tela. Sem ele o caril não seria o mesmo e a flor é distinta, avermelhada, como distinto é o seu sabor.
Tudo isto para te dizer, que especieiro não é somente aquele que vende especiarias, mas aquele que as interpreta seguindo as notas da pauta ou as notas à sua margem. A flor da curcuma secou, empalideceu, terreou.
Pode uma flor mudar a face deste verão?





flor da curcuma







9 comentários:

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


Como as pausas e a melodia, por cada torrão de escrita mudas sempre, mas sempre as faces das estações do ano!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 14 de Julho de 2017

Rogerio G. V. Pereira disse...

Há muito que não te lia
Não faz mal
Nem só de belas palavras
se fazem os gestos
e é hora
de tê-los

mas fica este gosto a gengibre
vir... que boa ideia tive

Olinda Melo disse...


Tudo é Arte. O importante é saber descobrir
os sons e os cheiros que nos inebriem.

Bj

Olinda

Marcos Satoru Kawanami disse...

Texto enigmático, e desenhos primorosos.

:)

Beatriz disse...

Por que não?
Tudo tem sua melodia, folhas, açafrão e as capuchinas, as flores do verão!

Beijinho Manuela!

Bia
www.biaviagemambiental.blogspot.com

Graça Pires disse...

Talvez uma flor não mude o verão. Talvez possa mudar a paisagem e fazer nascer um texto tão belo... És excelente no que escreves e no que desenhas, Manuela...
Um grande beijo

. intemporal . disse...

Ai Manuela,
Tu escreves tão bem...
Tu desenhas tão bem...
E eu aqui à tua janela,
A babar como ninguém!

:))))

Íssimo feliz

mム尺goん disse...



[mas, o Coração esse mantém-se]

Agostinho disse...

Num tom diverso, sente-se uma pessoa no mundo dos odores e cores. O que é maravilhoso, diga-se em abono do gengibre e do açafrão. É reparei que não usaste avental. Para quê, parece-me ouvir-te perguntar, se assim mais colorida fico.
Belas cores e aromas!
Bjs.