chegaram
























visíveis, audíveis, observáveis,

para quem tem os pés na terra e a cabeça no ar







16 comentários:

Mar Arável disse...

As andorinhas não poisam no chão
as "minhas"
Bj

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA



para quem tem os pés no chão, a cabeça no ar e uma vontade indomável de voar



Maravilhosos desenhos


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 9 de Abril de 2016

Rogerio G. V. Pereira disse...

Se e quando
olho para o chão
do alto
de onde olho
vejo
um melro de bico amarelo
e uma andorinha
a sobrevoar-lhe por cima

Marcos Satoru Kawanami disse...

As aves de arribação. Aqui, as maritacas voam em bandos de cá pra lá, mas os pássaros são sempre os mesmos. Só o calor é que aumenta, e está inumano, mais quente que dezembro e janeiro neste nosso outono.

=)

Beatriz disse...

Ah, esta sou eu!!!
Vivo a voar, mas com uma pontinha do pé no chão, o que me causa alguns devaneios de vez em quando, rs...

Beijinhos Manuela!

Bia <°(((<

Carmem Grinheiro disse...

Boa tarde, manuela.
Adoro tanto quando as vejo chegar.

bj amg

Graça Pires disse...

Quando as andorinhas puderem inventar a primavera...
As tuas andorinhas são as mais bonitas que já vi...
Um beijo.

mz disse...

As primeiras que vejo e sem ter a cabeça no ar!
Mas a outra passarada, anda louca e madrugadora.

Um abraço para si, Manuela.
Bjs

Hanaé dos Ossos disse...

Fale-lhes das andorinhas, Manuela,
dos ossos das andorinhas, essa coisa leve do bate bate,
muito levezinhas,
só os ossos das andorinhas batem assim,
e alevantam voo da joaninha,
avoa, avoa,
que os teus ossos vão para Lisboa,
já o Darwin estudava a diferença entre as andorinhas do Estoril e as de Lisboa, as do Estoril vão passear os ossos para o paredão, as de Lisboa são assaltadas onde calha, levam-lhes tudo, menos as falanginhas,
mas nós precisamos de alguma coisa mais para além dos ossos, Manuela,
como diz o Papa Francisquinho, devemos ser poupadinhas, se pouparmos na carne, haverá ossos para todos, se pouparmos nos ossos, nem os cães terão que roer,
chega a primavera e invade-me o externo esta poesia toda que estou a despejar aqui,
sou uma Flor
espam
cadela,
que adorava voar como as andorinhas, mas tenho os ossos pesados, o máximo que consigo, quando começa a bater as asas, é ver as meninas de set'an,
que vão chupar gelados no Tamariz, a apontar os dedos para mim, ó, mãe, ó, mãe, o que é aquela coisa a dar às asas, que vergonha, pareço a passarola do Bartolomeu de Gusmão, pesam-me as tíbias tanto,
voar?...,
tá quieto, ó, meu,
isso é para as andorinhas, qualquer dia, põem-me um rótulo, e enfiam-me na Casa das Histórias, da outra tarada, que vive em Inglaterra e só cá vem para ver as dores da minha amargurada de pterodáctilo, com os tomatinhos de chumbo,
vida amarga,
de quem nasceu ossuário e nada tem de andorinha...

Jacintinha Marto disse...

Chegaram, e eu que o diga,
vieram pela calada da Noite,
costas negras e olhos brilhantes,
eles comem tudo, eles comem tudo,
e não poupam
nem a entrevada,
pensava eu que com a estação da Reboleira ia acabar a rebaldaria, e os tráfegos iam passar mais ao lado, qual quê, quanto mais depressa chegam aqui mais pensam que eu sou o apeadeiro da Damaia,
que pena que eu tenho do meu corpo,
usam-me como uma linha de sentido único, para vir, vêm todos, mas para largarem a presa, só à mangueirada, pudessem vocês saber quanto sofro nesta causa, chega a manhã e estou esborrachada nos canteiros, há quem me chame andorinha, mas já me chamaram de tudo, sobretudo, quando estão com os amigos e empolgados.
Adorei os passarinhos, obrigado

Rita Freitas disse...

É como se reinasse uma paz mágica!

Bjs

. intemporal . disse...

.

.

. agora entendo o porquê da nelita não gostar de pombas . :))) .

.

. eu gosto muito da pomba gira . e das pombinhas da catrina .

.

. bom.fim.de.semana .

.

. íssimo feliz .

.

.

Isa Lisboa disse...

É verdade, chegaram! :) Há dias cheguei a casa e fui surpreendida por uma à minha espera! Ela disse-me para voar e é o que vou fazer, aproveitando a primavera e o sol que começa a aquecer! ;)

Um abraço, Manuela!

Majo disse...

~~~
Lindas, estas andorinhas

que chegaram como arautas do bom tempo

que teima em não manifestar-se...

~ ~ ~ Beijinho, Manuela. ~ ~ ~

Agostinho disse...

Negras são e têm relações difíceis com os senhorios. O trunfo delas é virem anunciar a primavera em voos rasantes pelas calçadas.

Bons voos, Manuela.

Jaime Portela disse...

E já tardavam...
Belíssimas pinturas.
Bom fim de semana, Manuela.
Um beijo.