o deserto e o rio











É um tempo antigo, simples de entender. De um lado o deserto aparentemente solitário e sopra o vento quente e seco e as paisagens mudam hora a hora e aquietam-se no fresco da noite quando os grãos de areia se transfiguram e os olhos pasmam com a multiplicação das estrelas e o brilho do luar. Do outro lado o rio e os ventos alísios e a humidade inconstante e volúvel.




este é o deserto, o rio continua aqui


















fotografias de Fernando Pedrosa







22 comentários:

Jacintinha Marto disse...

Se fosse só o tempo que fosse antigo...
Havia de ver o estado ressequido em que o vento do deserto me pôs as partes, não viesse, de quando em vez, um de cada vez, fazer-me a jardinagem das ervas daninhas.
Olhe, adorei as flores e o texto, e o Adagietto de Mahler,
geralmente os meus sacrifícos são todos ao som do rap,
com perfumes da Ilha do Fogo

kisses da sua Jacinta

. intemporal . disse...

.

.

. somos deserto e rio . e chegamos agora ao tempo do estio .

.

. muitos parabéns . sentidos e amplamente sinceros .

.

. abraços e beijos felizes .

.

.

Kika disse...

Kriu?

Não consigo viver num local onde não haja um rio perto!

Rio perto e céu aberto e muitos parabéns ao aniversariante que tem nos olhos a cor roubada a ambos...

Kriu!

disse...

Ventos, não há como os de Espanha, esses sim, despenteiam-me!

Parabéns LACMAN!

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


Bravo a todos:

Música, fotos e texto.


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 2 de Maio de 2014

Marcos Satoru Kawanami disse...

Suavidade e bom gosto aqui e lá.

Graça Pires disse...

É por isso que é no deserto que nascem os feiticeiros da sede...
Um beijo, Manuela.

Luís Alves da Costa disse...

Obrigado, por todo este tempo que continua :-*

ki.ti disse...

eu também dedico um grande miado ao Luís

que desenha muito melhor do eu,

MIAU!

Vitor Chuva disse...

Olá, Manuela!

Depois de andar cá e lá,atrasado junto-me nos parabéns ao aniversariante - e também às bonitas fotos e texto.

Um abraço e bom Domingo.
Vitor

Agostinho disse...

Apesar do deserto, um rio
onde as flores coloridas
se banham neste Maio.
Bonito.

. intemporal . disse...

.

.

. a.maio.me quando finda abril . no dia em que celebramos o momento primeiro . aquele que nos trouxe aqui . ventre miraculoso hoje consagrado . na terra ou na imensidão de todos os céu . sob a forma de um lugar cativo e perene nos nossos corações .

.

.

. íssimo . feliz .

.

.

.

Kika disse...

Kriu?

Mãe por um dia, nem sabe o bem que lhe fazia!

E olhando bem para ti... E sentindo esse respirar fluente... Olha que me serves perfeitamente!

Feliz "Dia da Mãe", mãezinhaaaaaaaaaaaaaaa minha!!!

(Vamos ao cinema? Tenho comigo dezasseis casais de fisheri meus amigos que chegaram ontem da Tanzânia e que aceitam o teu convite... Vamos todos?)

Kriu!

Rita Freitas disse...

Poucas palavras que dizem tanto!

Adorei

Beijinhos

Silenciosamente ouvindo... disse...

São sempre tão sublimes os posts
que me é difícil comentar.Apenas
que os sinto e gosto. Bj.
Irene Alves

CamilaSB disse...

Parabéns Manuela, pela beleza perfumada deste seu oásis! Agora vou clicar "aqui" e seguir o rio :)...

Mar Arável disse...

No espelho das águas

tudo é mais claro

Nilson Barcelli disse...

E os desertos permanecem, apesar dos rios...
Magnífico texto, gostei, mas não li a continuação.
Querida amiga Manuela, tem uma boa semana.
Beijo.

disse...

Voltei para reler o início deste conto mas insisto em não ler a continuação pois escarrapachaste-a naquele blogue lindíssimo que me provoca uma INVEJA quase mortal...

mz disse...

O deserto floresce quando as águas passam
e mudam-se as paisagens
porque existe vida.

Bonita dedicatória, Manuela.


Abraço









Beatriz disse...

Um deserto nunca será solitário......as estrelas são as flores de seu jardim!

Beijinho, Manuela

Bia

manuela baptista disse...

agradeço a todos os que me leram

aqui e ali!