baldio ainda




















Quando anoiteceu abriu os dedos, desfez os nós e deixou-as ir, uma a uma, duas a duas.
Pela madrugada os anjos perderam o pé e vestiram-se de asas.



















25 comentários:

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


.. os anjos perderam o pé e vestiram-se de asas enfeitadas de papoilas ...


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 29 de Março de 2014

Graça Pereira disse...

Que anjo desdenharia enfeitar as suas asas de flores?...Acredito que o baldio ficou sem nada e as flores, enfeitam agora o céu..
Beijo
Graça

Isa Lisboa disse...

É por isso que a madrugada é mágica!
Beijo

Rogerio G. V. Pereira disse...

Depois de ter anoitecido
Aqui não há madrugada
Continua noite,
e é cerrada

Quem dera a luz neste baldio

Silenciosamente ouvindo... disse...

Gosto de anjos...gosto de papoilas...e gostei deste seu
post. Bj. e bom domingo.
Irene Alves

Kika disse...

Kriu?

Baldias são as armindas do campo... e são gordas também...

Kriu! Kriu! Kriu!

disse...

Os teus textos são tabuadas poéticas com penas e asas...

Marcos Satoru Kawanami disse...

Manuela,

Este escrito também está combinando com a sonata, minha tia professora de piano tocava-a muitas vezes.

fraterno abraço
Marcos

Vitor Chuva disse...

Olá, Manuela!

E os anjos vestiram-se de papoilas neste lugar encantado - que de baldio nada tem...

Um abraço
Vitor

. intemporal . disse...

.

.

. sangram os dias em que a memória fora ida desta jornada de a.penas asa .

.

. sada suada . e casa .

.

.

. íssimo . feliz .

.

.

Mar Arável disse...

Que vivam os pássaros
de olhos abertos

Luís Alves da Costa disse...

Felizes as cores do campo, que de si próprias cuidam, como os lírios rasteiros da primavera tardante de chegar :-)

Cheira a estevas e maresia

Nilson Barcelli disse...

Os anjos podem perder o pé, mas nunca perdem as asas...
Belo e poético. Gostei.
Manuela, desejo que tenhas uma boa semana.
Beijos.

Linda Simões disse...

Bela e poética como os anjos e rosas e flores e papoulas és tu, amiga querida.
A música que toca... Ah!... Que linda!
Saudade apertada dos amigos queridos.
Por onde anda a Tertuliana Dulce?

Beijinhos e beijinhos ao casal,

Ana Simões

Graça Pires disse...

Anjos com asas vermelhas de papoilas... Muito belo!
Um beijo, Manuela.

ki.ti disse...

não tens saudades dos cavalos marinhos

e dos búzios, assim uma coisa com mais sal?

Kika disse...

Kriu?

Estou furiosa!!!

A "Chiado Impostora" mandou 500 emails para todos os bloguistas que têm o respetivo endereço no perfil da conta e para mim não mandou nada!

Esperei pelo pombo correio de ontem à tarde e nada, o desta manhã trazia apenas uma carta das finanças acerca dos Audi das faturas e dos ivas e nada da "Chiado Impostora"...

Vou já ligar à minha querida amiga Gabi, de Silves, para saber o que se passa!

Não é que eu saiba escrever, mas se todos publicam livros, saibam escrever ou não, eu também quero, até porque, dinheiro não me falta para pagar o que for preciso para o efeito!

Kriu!

disse...

Não fora o Duarte Lima estar dentro e a cabeleira mais loura de Lisboa, perdida por aí (talvez por Telheiras), aposto que te escreveria o "Prefácio" para o teu livro, Kika...

Evanir disse...

A vida é um eterno recomeço,
uma viagem que se inicia,
e não devemos perder a esperança
temos que continuar,
mostrando a todos a nossa fé,
e a nossa capacidade de refazer o que se desfez,
e reconstruir o que se perdeu.
Muita paz para sua vida.
Beijos e meu eterno carinho.
Evanir.

manuela baptista disse...

a vida é

e tudo o mais e muito humor para aguentar

seja o que for

Agostinho disse...

Manuela,até os anjos coram do vermelho das popoilas. Onde está este baldio que emana a leveza de uma pena.Serenamente,
Isto é beleza.

Celso Vaz disse...

Olá minha querida...

Rita Freitas disse...

E existem tantos anjos na madrugada:)

bjs

Jacintinha Marto disse...

Há por aqui um silêncio das petúnias que não se deve prolongar.

Se eu, a articulada, para aqui rastejo, por que encontrar tantas flores nestes lindos vasos?

Adorei este espaço e vem aí agora a Páscoa, o tempo das violetas, quando eu ia molhar os joanetes à Cova do Vapor, e aproveito para lembrar a todos que abriu o meu Museu em Fátima. Se virem alguém acamado num canto, não é estátua de cera, sou mesmo eu.

P.S. - Se houver odores de vela e catinga, passai à sala ao lado, é por que estou a ver o solzinho, e não só, a dançar...

Beijos à nossa Lili e bem hajam

© Piedade Araújo Sol disse...

e os anjos tinham nessa madrugada as asas em cores rubras e frágeis como as papoilas...

:)