I - meia lua e o pássaro


Nesse dia ao sair de casa o rapaz percebeu que a rua não era a mesma. Ficou uns minutos parado, as mãos nos bolsos, os olhos entreabertos, os ouvidos à escuta. Sentiu no ar um cheiro a sementes de sésamo queimadas e não havia vento. Não reconheceu mais nada.
Lembrou-se que aquele ano não tinha começado exatamente como os outros. O pai resmungou, estou desiludido. A mãe pegou na mochila do irmão mais velho, meteu-a na máquina da roupa no programa da água quente para tirar as nódoas, a mochila encolheu. A mãe disse, não faz mal tu também és mais pequeno, e coseu etiquetas a tapar os buracos. Ele pensou, vão gozar comigo, mas não ligou muito a esse facto, e agora que via a professora de português por quem ele estava apaixonado desde o 5º ano, cada vez mais distante, ainda menos. A turma tinha tantos alunos, que no exato momento em que os professores terminavam a chamada, a campainha tocava para o intervalo. Deste modo, aprendiam no recreio uns com os outros e com a matula do bairro XZY que entrava pelos buracos que já não tinham rede. Os Bairros em Processo de Exclusão Instalada eram tantos, a quem ninguém vivo e muito menos morto desejava ver o seu nome associado. Daí a combinação das letras do alfabeto. Claro que a designação atribuída a estes bairros era perfeitamente ridícula e contraditória, pois um processo significa um projeto, um trajeto, e instalada, significa que já não há volta a dar, acomodada.
Mas ele não era bom aluno. Recusava-se a escrever nas paredes e a roubar bicicletas. Era um rapaz estranho, parecia estar sempre distraído, ausente, do outro lado das coisas. No entanto entendia a geometria das casas e das ruas, salvava os gatos assustados no alto das árvores, tratava das feridas aos cães vadios, plantava junquilhos nos buracos da calçada. De manhã quando saía para a escola com o seu fato de marinheiro antiquado, todos lhe diziam bom dia e ele guardava no bolso azul turquesa os recados que tinha que fazer à mãe.
Foi então que apareceu a correr, o pássaro. As patas bem firmes, as pernas longuíssimas, as penas no alto da cabeça a esvoaçar e gritava, não fiques aí parado, não vês tanto desolhar? vem comigo. E assim correram os dois durante vinte e cinco minutos, o rapaz cansado pensou que andava a exagerar nas bolachas e o pássaro a deitar alpista pela boca.
Meia Lua chama-se o rapaz e encontrou o pássaro das histórias.
Desolhar é a terra do povo do outro lado das vozes.
as vozes de Fernando Pedrosa
técnica mista s/ tela

24 comentários:

. intemporal . disse...

.

.

. um pássaro . vascular . ásaro .

.

. e em cada vaso . um indivíduo .

.

. divido . e sulco .

.

. e em cada ruga o desolhar .

.

. e em cada olhar todas as vozes .

.

. também a minha . e também a tua .

.

. e em cada linha . o Meia Lua .

.

.

Téréré disse...

"técnica mista s/ tela"

Pintaram a meias? ambos os dois? e havia luar? no quarto crescente ou no quarto minguante?

Ou pintaram na sala?

Claro que sem a tela, porque a televisão provoca distracção!

Lobinho disse...

Os pássaros não correm! Voam! Como as gaivotas e cruzam os mares que os habitam e encontram-se todos por aí, em todos os lugares, onde haja um sonho para engolir e a esperança para os juntar!

Por isso me apaixonei...

ki.ti disse...

E eu é que sou gata fedorenta,

técnica mista, Téré:

acrílico
lápis de cor
de cera
gelado de chocolate
pastel
carvão
queijo da serra
cola
papel de jornal
aquarela

Miau!

Jaime Latino Ferreira disse...

KI.TI


Gelado de chocolate não, esse, de tão guloso e à distância, tenho dotes que mal suspeitarias, surripiei-te eu!

E não te ter roubado o queijo da serra, sorte a tua!!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 6 de Outubro de 2012

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


Vá, continua!

Fernando, belíssimo


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 6 de Outubro de 2012

© Piedade Araújo Sol disse...

foto e tela!

o texto como sempre.

genial.

um bom fim de semana.

beij

CamilaSB disse...

«O pai resmungou... a mochila encolheu...» e o Meia Lua, sem culpa nenhuma, vai ter que "usar" a mochila esburacada do irmão mais velho... :(
Maravilhoso como sempre!!! Li e reli!
Belíssimas também as imagens da "técnica mista"
Adorei, Manuela!
Beijinhos e Bfs

Fernando disse...

brancas, negras, azuis, vermelhas, verdes, douradas...

as mil e uma vozes de Manuela Baptista!

tanta pérola a soltar-se da sua língua... vá, corra mais um bocadinho! :)

um beijo

nandinho

Fernanda disse...

Nem sempre passo, mas recordo e sei que sempre amarei os seus textos.
Sei onde envontrá-los e por isso sempre voltarei.

Beijo

. intemporal . disse...

.

.

. há.domingos de tanto e de tanto.espanto .

.

. e.por.que . de uma ave se.trata .

.

. está linda . tal.e.qual .

.

. uma fotografia . perfeita .

.

. o mesmo.dom . o mesmo.tom .

.

. até aquele olhar . malvado .

.

. :))) . obrigadoooooooooooo .

.

. muito .

.

.

Filomena disse...

Lindo este pássaro das histórias...


Beijo de final de domingo


filomena

Silenciosamente ouvindo... disse...

Telas mistas (adoraria possuí-las)
assim virei sempre aqui olhar para
elas.O texto diz imenso(como sempre)
inteligentemente escrito.
Um grande beijinho
Irene Alves

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Vejo-me criança, revisitando a amazônia com o meu sacy pererê, mãe d'água, curupira...o fantástico mundo que eu então habitava...Imagens e personagens, aqui, como lá, me fascinam...é encantamento...

Rica semana...nas criações...
Beijinhos

Rita Freitas disse...

Um texto que diz mundo e que toca na alma, como sempre.

bjs

Isa Lisboa disse...

De facto já estivémos mais longe de "no exato momento em que os professores terminavam a chamada, a campainha tocava para o intervalo. "... Tenho amigos que nem a chamada poderão fazer este ano...

Para além desta imagem mais real que me assaltou, gostei imenso de conhecer o Meia Lua (ou será ele na realidade mais real que tudo?). Pinturas fortes também, gostei muito das cores, dão uma vida enorme e intensa a Meia Lua...!

Beijos

Mar Arável disse...

Uma ternura de texto

projectado
numa bela constelação de cores

Nilson Barcelli disse...

Há demasiadas coisas tão más instaladas... mas acho que há volta a dar... o desolhar ainda pode fazer das suas...
Um abraço, Manuela.

Rogério Pereira disse...

e se o chamado fosse outro nome
e a professora fosse a de matemática
e a corrida fosse de trinta minutos
diria
que tinhas escrito a minha biografia

(desolhar é qualquer terra, deste mundo)

Mz disse...

Na realidade, as turmas vão ter tantos alunos que na volta, irão todos acompanhar correndo ao lado do teu pássaro.

Vamos aguardar...

Um abraço!

alegria de viver disse...

Querida amiga

O texto maravilhoso, bela lição, do bem.
As telas foram pintadas para o texto ou o texto foi feito para as telas?
LINDÍSSIMAS

Com muito carinho e alegria agradeço aos dois, bjs.

manuela baptista disse...

Rufina

a pintura já existia há muito e foi-me cedida pelo Fernando Pedrosa

eu invento o conto à medida que leio as personagens desenhadas

espero não ficar aquém


beijinhos

Maria Alice Cerqueira disse...

Querida amiga,

Meu silencio tem sido longo.

Mas não tem sido por esquecimento, mas sim por conta dos acontecimentos do dia a dia.

Quero muito agradecer a sua presença amiga lá no meu cantinho, a qual trás muita alegria para o meu coração.

Que Deus a abençoe, e realize todos os seus sonhos e projetos.

Uma linda semana para você coberta de muita paz e Amor!

Abraço Amigo

Maria Alice

Graça Pereira disse...

Querida Manuela

Quando o Meia Lua for Lua Cheia..irá voar com o pássaro das histórias e correr o mundo todo...Se passar por aqui, eu irei com eles!
Desenhos maravilhosos numa história de encantar...
Beijo
Graça