III - acalanto




O sorriso do homem era tão largo que quando ele acordava adormecia a rir. Dava-lhe jeito para atravessar as ruas, tirar apontamentos sobre o movimento migratório dos gansos e saber exatamente onde ficara depois de já ter chegado a casa.
A cartola tinha-lhe caído na cabeça num dia de ventania. Qualquer um ter-se-ia zangado, incomodado com aquele chapéu de mágico que nem ia bem com a sua maneira de vestir mas ele pensou, vou dar uma oportunidade à cartola, afinal perdeu uma cabeça para me encontrar. Os amigos não estranharam, os colegas de trabalho acharam graça e quando ele se desorientava no meio da multidão bastava apenas procurar o alto do seu chapéu.
E os pássaros gostavam daquela cartola. Seguiam-no de manhã bem cedo, volteavam, rodopiavam, piavam à sua volta e um casal de melros chegou mesmo a fazer o ninho sobre ela. Como os melros eram pretos e a cartola preta era, ninguém sabia que viviam dois melros no alto da sua cabeça. Mais tarde deixaram-no com saudades de preto.
Às vezes o homem também entristecia e aí o sorriso ficava menos largo e os pássaros retardavam o voo e ele pousava o chapéu e aquietavam-se, ele e os pássaros à procura do silêncio e tudo passava, até a dor.
Na última paragem entrou o rapaz para imediatamente sair e saíram todos com ele. A rapariga, o gato, o homem da cartola e o coelho triste, que dava saltos de contentamento por encontrar o rapaz e o peixe.
O motorista resmungou, ao pôr-do-sol venho buscá-los. Sejam pontuais, não tenho paciência para atrasos.
O homem da cartola alargou um pouco mais o seu sorriso e eles deslizaram por ele e era de veludo o sorriso e deslizar sabia-lhes tão bem. E à sua volta começaram a juntar-se crianças, dezenas, centenas de crianças. Não fizeram muitas perguntas, porque mais do que compreender o que estavam ali a fazer, pareceu-lhes muito melhor aceitar o que lhes era dado viver.
Então o homem sentou-se no veludo macio e todos se sentaram com ele. Tirou o chapéu, pousou-o sobre os joelhos e soltou-lhes os pássaros. As crianças fizeram um Ó de espanto, os olhos grandes fixos nas asas.
Um acalanto da família dos tentilhões, para a rapariga cantar até adormecer. Uma gaivota para o rapaz ensinar ao peixe o caminho do mar. Um pardal dos telhados para o gato que gostava de dormir ao sol das telhas. Uma andorinha dos beirais para o coelho triste, pretos e brancos os dois e ele aprender a voar.
Por fim quando soltou as estrelinhas-de-cabeça-listada anoiteceu.


cartola preta no bico de uma estrelinha laranja
pastéis de mb






17 comentários:

Sonhadora disse...

Minha querida

O que dizer, se estou muda.
As minhas palavras devem ter ido aninhar-se no chapéu do homem de sorriso largo, porque emudeceram perante a magia das tuas...vou em silêncio para não acordar os pássaros.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


Acalento mesmo a ideia de no bico da estrelinha esvoaçar uma cartola preta ... e os melros de bico acachapado ou as melras!?


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 2 de Junho de 2012

Bloguinho da Zizi disse...

Estar aqui e te ler é como ser transportada para um lugar que só tu conheces, mas que permites que eu entre.
Gratidão

rosa-branca disse...

Tão lindo e [tão seu] adorei amiga. Beijos com carinho

nacasadorau disse...

Comecei a ler e a sorrir, com esse homem do sorriso largo que adormecia a rir.
O homem da cartola preta, como todos nós,e que também tinha momentos de tristeza, lembra-me a gata que ainda espera que a dor passe no silêncio olhando todas as aves, especialmente os tentilhões que façam cantar até que a noite chegue.

Maravilhoso.
Obrigada
Beijo

walter disse...

Ó... voaram todos, todos, até eu!

hoje ninguém volta de autocarro para casa, o motorista bem pode esperar sentado!:)

Manuela, este conto é de se lhe tirar o chapéu... parabéns!

beijo

nandinho

alegria de viver disse...

Querida amiga

Amei os pássaros, posso ficar com eles? Tão coloridos.

Acho que eles estão certos não existe melhor local para fazer o ninho.

Lindo, e todos foram felizes.

Com muita alegria BJS.

AC disse...

Manuela,
A ventania tirou a cartola ao homem, eu tiro-lhe a cartola a si.
Obrigado pelo sorriso.

Beijo :)

vitorchuvashortstories disse...

Olá, Manuela!

Desta vez, da cartola não saiu um coelho;mas escorreu magia a rodos. Para nos conduzir através desse mundo encantado povoado de criatividade e sonho - que por momentos nos consegue fazer voltar aos tempos de criança.

E saio daqui com um enorme sorriso.

Um abraço.
Vitor

. intemporal . disse...

.

.

. aceitar o que nos é dado viver .

.

. nem que para tanto seja tantas vezes necessário que nos centremos no alto do nosso chapéu .

.

. até que um dia nos deixemos . também . com saudades de preto .

.

.

.

. de se lhe tirar o chapéu . pois sim .

.

.

.

. íssimo . íssimo . íssimo .

.

.

Fézada disse...

Auf!

Tivesses tido em conta na imagética deste conto o contorno do bico e teriamos um loris arco-iris, ou até, um kakariki em voo ascendente.

Auf!

Auf!

Téréré disse...

Béu, béu!

Continuo a achar que a quadra dos Santos Populares te influenciam mais nos tons que nos dons...

Béu, béu!

Isa Lisboa disse...

É sempre tão bom viajar por aqui... Obrigada!

© Piedade Araújo Sol disse...

e fico com o sorriso...

um texto, original e muito belo.

beijo

Silenciosamente ouvindo... disse...

Pois o que ua cartola pode se transformar quando alguém com uma
dose de imaginação incrível a
inventa e a povoa...
Parece que no final todos ficaram
felizes.
E eu, como a Rosa,fiquei muda. Mas
se até a Rosa que tem uma capacidade
imensa de escrever maravilhosos
poemas ficou muda...eu fiquei o
quê? Nem consigo definir.
Mas sei que adorei. Ilusionismo?
Beijinhos
Bom domingo
Irene Alves

Mz disse...

Na vida e nas histórias, é maravilhoso e contagiante todos os sorrisos, mas mais do que o sorriso do homem, eu adorei o Ó que colocaste às crianças.Pois elas adoram o efeito surpresa e isso é meio caminho para o encantamento.

Um grande abraço,
Mz

ki.ti disse...

tou quase a miar,

também quero um pássaro qualquer, sim