de novembro os dias


chegam ante pé
amaram-nos e bateram com força a porta da vida
aqui deste outro lado gelado
castanhas romãs maçãs bolos de noz pinhão canela e limão
de deus o pão santo somos nós
os outros
numa memória de flores
cheiros inundados da torrência das chuvas da invenção das palavras
vale a pena de um pássaro frágil
esfarrapamo-nos dos dias e alcançamos a graça das garças

-Chegam ante pé… -Como eu? – perguntou. -Amaram-nos e bateram com força a porta da vida. -Não há portas onde estou…aqui deste outro lado gelado, a água corre e os insectos zumbem. -Castanhas, romãs, maçãs, bolos de noz, pinhão, canela e limão. De Deus, o pão santo somos nós. -E os outros? -Numa memória de flores, cheiros inundados da torrência das chuvas, da invenção das palavras. -Vale a pena? -De um pássaro frágil. Esfarrapamo-nos dos dias e alcançamos a graça das garças.

Aborresces-me!- gritou o pássaro.
Pára de falar do que não sabes, ante pé chego eu e ainda aqui estou e todos os dias invento os dias sem palavras, à medida que vocês, poetas, despejam nas águas deste rio os vossos reinventados poemas de penas frágeis, inundados da torrência das chuvas, da fluência da morte, do silêncio das flores.
E se eu reconheço nas outras garças, a graça do meu próprio voo, não apagues da tua memória o pinhão, a noz, a canela e o limão e assusta as sombras com esse cheiro a bolo e a pão.



fotos de f. pedrosa

32 comentários:

Nikezenha disse...

Esse blog e lindo...amei tudo a cor..os textos..
parabens

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


- ... invento os dias sem palavras ...

- Mas se os pudesses inventar onde estariam dias, invento ou palavras, sem ou os, o artigo definido, plural que os soletra!?

- Estariam nele, num mesmo artigo a que tu próprio, plural, dás tantos nomes!


Belo texto e não menos belas fotografias de f. pedrosa!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 1 de Novembro de 2010

Manuela Freitas disse...

Olá Manuela,
Depois de um interregno voltei, mas mudei de casa e de nome, são coisas que podem acontecer!...
Deleito-me com a tua invenção, com as tuas pinturas e com as fotografias. Tento arrumar e desarrumar as tuas palavras na minha cabeça!...
Beijinhos,
Manuela

Cildemer disse...

Gostei do passeio por seu espaço!

***
Feliz semana****

BRANCAMAR disse...

Tão lindo Manuela, que nem sei comentar.
Acho que não há nada a dizer para além da contemplação e da reflexão das palavras.

As garças e a natureza sempre para além de nós, ensinando-nos a pureza da vida...

E as fotos sempre belíssimas do f.Pedrosa, só por si outro conto, outra poesia.

Beijinhos e bom feriado.
Branca

. intemporal . disse...

.

. da "graça das garças" .

.

. somos sempre do que somos feitos . embor.ora eleitos para que fossemos perfeitos . por ora rare.feitos rareados espaçados e segura.mente lique.feitos .

.

. a vida como fusão . como pulsão para a individualidade que ora dói e procede e.terna ora constrói o tronco sobre a perna . a.penas uma que a outra alterna .

.

.

. e os sentidos confundem.se na osmose de um "pássaro frágil" mas ágil . imagetica.mente in.imaginável . incrível e in.falível . porém, perecível .

.

.

. é sempre da pele que se veste o lobo, ave ou poeta, início e também meta .

.

. "castanhas romãs maçãs bolos de noz pinhão canela e limão" .

.

. também de Deus . e o pão já sabemos que somos .

.

. um .

.

. dois .

.

. três .

.

.íssimos de agora .

.

.

. e,,, .

.

.

. ao "pássaro frágil" a voragem da pardacenta vagem também ela amarela e sempre brisa e para sempre aragem .

.

. paulo .

.

. intrometidas são as folhas.ao.vento . que a carriça ao voar também iça .

.

Graça Pereira disse...

Manela
Doce Novembro...Dia de Todos os Santos (não confundir com o de Finados...) Ainda estamos deste lado da porta da vida e comemos o bolo de pinhão, canela e limão... As manhãs, são forradas com o perfume de maçãs e castanhas e sentimos a alegria habitual do começo das coisas...Mas há garças nos nossos olhos que vislumbram o invisível...Tal como elas partiremos um dia ...ao ritmo lento do amadurecer dos frutos!
Beijos
Graça

walter disse...

Manuela,

hoje sou pássaro frágil, quase sem graça...

"cheia de Graça" é a sua escrita - bendita fortuna que Deus lhe deu

agradeça-Lhe sempre!

e agradecido fico eu, por esta página cruzada de voos de dentro para fora e de fora para dentro...

e claro, não me vou esquecer do sabor antigo dos bolos de noz pinhão canela e limão...:)

um dia Cheio de Graça para todos nós!

beijo

walter

AC disse...

Que dizer, Manuela? Está fantástico!
Vou continuar a ler, a viajar nas palavras, a redimensionar os cenários. Não curiosamente, a cada nova leitura as coisas transfiguram-se...
É, no mínimo, uma viagem sempre renovada embalada no seu talento.

Beijo :)

JBártolo disse...

Olá Manuela:
Lindo. Gosto do "bailado" das garças. Aos poucos os meus neurónios já se vão habituando à sua escrita. Passo sempre, mas...
Beijinhos

Nilson Barcelli disse...

Gostei do modo criativo e inteligente como elaboraste este texto. O resultado é francamente bom. Parabéns pela excelência do teu post.
Boa semana. Beijos.

Cildemer disse...

"Cildemer" é um anagrama do meu nome! E já que nasci na Nazaré à beira mar, não sou mais do que um pequeno cilio do mar ou cil de mer;o)

***
Merci pour ton membership et à bientôt****

f@ disse...

Olá Manela,


...
VOAR...
Pé ante pé contemplo este instante do voo e todas as penas,….
a penas o b elo Aqui onde os pássaros debicam o azul…
o perfume de bolo de ®osas e a memória das pétalas que com graça as garças transmitem
ao olhar…
Um perder de vista de ajardinado a tona d’água…
a penas flores desfolhadas na poesia…

um templo de água perfumada…

Tudo mto B ELO…

!nfininos beijinhos

Linda Simões disse...

Manuela,

é tão bom saber das garças

e dos amigos


No dia de todos os Santos...


Abraço de carinho

Dulce AC disse...

"E se eu reconheço nas outras garças, a graça do meu próprio voo, não apagues da tua memória o pinhão, a noz, a canela e o limão e assusta as sombras com esse cheiro a bolo e a pão"

E eu hoje que já venho num outro dia mas que não é diferente do dia de ontem..porque ontem como hoje estou neste sentir de não ter esquecido o pinhão, a noz, a canela...
nesse estar inconfundível de vida na partilha do bolo e do pão, num estar para sempre nas memórias que lembro e que me fazem voar a um porto de abrigo de muita saudade,
memória do meu coração..

Gostei muito..de tudo (Olá Manuela..:)).
As fotos são maravilhosas num preenchimento perfeitíssimo às suas palavras.

Muitos beijinhos num só abracinho amigo.

dulce

São disse...

Será possível viver sem criatividade?

Boa semana

manuela baptista disse...

quem?

eu? :)))))))))))

manuela

Maria João disse...

Na graça de uma frágil garça, me esfarrapo eu também, acreditando que vale a pena inventar os dias, com ou sem palavras , mas sempre cobertos de sentidos e memórias.

E os outros?

Os outros são pão santo embebido na chuva. Alimento!

Obrigada, Manuela

Um enorme abraço

AFRICA EM POESIA disse...

Manuela
Passar aqui olhar o céu e as aves...
momento de felicidade.
senti que estava lá...
um beijo

. intemporal . disse...

.

. 20 . porque sim . "vim.te" ver .

. :) .

. íssimos . sempre .

.

Graça Pires disse...

"Esfarrapamo-nos dos dias e alcançamos a graça das garças."
Somos nós frágeis criaturas que não sabemos que o voo das garças é uma dança de paixão na curva do olhar...
um beijo, Manuela.

contagotas disse...

BRAVO!!!

Bjos
MariaIvone

© Piedade Araújo Sol disse...

um texto alusivo ao 1 de Novembro que me faz sentir pequena para comentar.

gostei muito e tambem das fotos e do seu enquadramento no texto.

parabéns e obrigada por dares a partilhar.

um beij

disse...

Olá Manela,

Ver a garça branca voar porque gosto de aves e reler-Te faz-me de certa forma ter asas…

Obrigada
beijinhos

Cris Tarcia disse...

Lindas fotos, me deu vontande de mergulhar nestas aguas.

Beijos

alegria de viver disse...

Querida amiga

Estou um pouco atrasada.
Jamais deixaria de passar por aqui, além de uma boa leitura hoje ainda saio com a barriga cheia.
Claro que vou compartilhar com as lindas garças, só um pouquinho.
Meu coração alçou um vôo.
Obrigada por tão belo conto. Um sonho.

Com muito carinho BJS.

relogio.de.corda disse...

A cor azul fica aqui tão bem!!
Pé ante pé, um dedo ao lado do outro, uma mão e outra mão, um pensamento chega e logo a seguir, mais outro...e assim se vai construindo a coisa mais bela desta vida: a arte da escrita.

Fragmentos Betty Martins disse...

.________querida Manuela





!eis que encantada estou_______comme d'habitude


.vou ler mais uma vez_____para que na memória me fique.tão ricos aromas...




_________///





beijO____ternO

manuela baptista disse...

Betty, linda!

desfragmentei-me toda...

há tanto que sentia a sua falta!

um beijo

manuela

Lídia Borges disse...

Um apelo aos sentidos.
Um voo pelos meandros da poesia em prosa.

Belíssimo!

L.B.

f@ disse...

Manela olá,

...

...e sempre as garças e o voo...
simples e tão leve o b elo...

bom fim se semana
beijinhossssssssssssssss

manuela baptista disse...

...a todos!

um abraço

manuela