filamento


quantas vezes são as vezes de um olhar de uma trovoada seca em noite escura de um entendimento de ser mas já não estar
daquela náusea que sobe e nada desce de um enjoo de vida a marear
mareados somos se agitamos a espuma qualquer uma a dos dias e a outra que nos empurra sem cessar
essa semente não nos faz calar coladas estão as palavras fazedoras dos objectos e dos sentimentos
e se digo água crio o fio líquido digo pássaro faço-o voar repito flor
pinto-a vibrante despudoradamente simples
porque simples é o meu olhar e o fio dos dias onde enleado está cada momento


"flores ainda no outono líquido" de mb

36 comentários:

Luís Coelho disse...

Quantas vezes são as vezes de um olhar, uma procura, um medo, um querer a resposta para tantas vezes... Vezes pensativas!

Agradeço o comentário no lidacoelho em Pintar as Palavras.
Impressionou-me a sua sensibilidade.
Bem-haja

AC disse...

E é no cavalgar do simples, na filtragem da trovoada seca, que o horizonte alarga e a ave, senhora do seu destino, cumpre a sua função de ave...


Beijo :)

Maria João disse...

Despudoradamente, olho o que é simples no fio liquído dos dias.
E da espuma que me empurra para a frente, colam-se-me ao peito as palavras do que sou e sinto no embalo das águas.

Um beijinho muito grande, Manuela

Jaime Latino Ferreira disse...

FIBRA


Quantas vezes sou do meu olhar
o simples filamento duma trova
musculação tensa que não para de vibrar
e que se é peça é o todo desta obra

Sobreposição de outra a mais que se desdobra
camada após camada a querer mostrar
exílio de mim próprio que te louva
divide num cem número sem parar

Quantas vezes sou não sou o que quero dar
tudo o que eu vejo e se calhar
também o que não vejo e que me mova

E tudo o que em ti me inspira a nova
vontade redobrada que me sobra
murmúrio deste eterno sussurrar


( inspirado aqui e publicado também ali )


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 7 de Outubro de 2010

Insana disse...

"Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças"
Charles Darwin


Bjs
Insana

BRANCAMAR disse...

Tâo simples e tão sonante é a alma que aqui sente o mar e os sentimentos fazedores de palavras (pode ser?) e porque nos movimentamos nas águas azuis do oceano hoje também enchi o meu de espumas brancas, que estão para chegar à minha praia na corrente do tempo.
Porque será que o fio do nosso pensamento se enleou num olhar simples de cada momento?

E este é o momento de colher aqui as suas flores de Outono Manuela e levá-las na alma dos dias para os outros momentos com menos côr.

Beijos
Branca

Por toda minha Vida disse...

As flôres que a simplicidade pintou manteve o colorido desafiando os dias outonais que estão por vir...
as palavras estão mareadas, encantadas pelo verde da trovoada de suas palavras que julgava estarem coladas...

Renata

walter disse...

Manuela

o walter depois de a ler, assim como que por magia, transformou-se num minusculo filamento de uma lâmpada

a noite está escura, chuvosa e fria... a luz tudo atravessa e inunda

chegou aí? creio que sim!

,,,

amei o seu texto, assim como amei o que o Jaime escreveu nesta caixa de comentários... lindo lindo lindo!

parabéns aos dois!

beijos

walter

Benó disse...

As palavras da poetisa são o desnudar de si; as pinturas completam essa amostragem.
Belo como sempre, Manuela.

© Piedade Araújo Sol disse...

rendida à mestia com que pinta palavras, que resplandescem sentimentos e sentires.

um texto que é um encanto para quem o lê.

obrigada pela sua visita no meu espaço que me deixou muito orgulhosa.

um bom fim de semana e um beij

Graça Pereira disse...

Manela
Belissimo texto pintado "despudoradamente simples"... Enxertas de luz tudo quanto escreves, ligando margens separadas e advinhado o hálito dos dias...que ns empurra sem cessar...Ligas todos os elementos e a vida sem repouso corre na vertigem...e vamos, e teimamos!
Beijo
Graça

sideny disse...

Olá Manuela

As suas telas sâo lindas.

Parabéns.

Adorei o texto.

Beijinhos e bom fim de semana

alegria de viver disse...

Olá querida amiga

Graças a Deus que temos esta bela criação.
Com estes momentos a energia vibra a favor do tempo.
Ficou lindo este seu filamento.
Os desenhos estão lindos.

Com muito carinho BJS.

Dulce AC disse...

"porque simples é o meu olhar e o fio dos dias onde enleado está cada momento"

Tão perfeitas estas palavras Manuela..

num contemplar
no sentir a envolvência

num momento

brisa de muita ternura
fio de magia indelével aos dias...

Adorei os desenhos Manuela..
numa simples e tão bonita cumplicidade..!!

dois abraços amigos

dulce

manuela baptista disse...

dou abraços

estreito os laços
no tempo que me fugiu estes dias

da tempestade literal e sem metáforas

ficam as flores ainda neste Outono líquido, tenho encontrado muitas, por isso as desenhei!

ao Luís Coelho:

peço desculpa mas não fui eu quem pintou essas palavras...mas agradeço a sua sensibilidade!

AC

que me alarga as aves e os dias e envia sempre um sorriso :)

Maria João, embalada nas águas

Jaime, do sonetar poético e profético

Insana, dos pensamentos

Branca, pode ser!

Rê, a ternura do Brasil em pele de Índio

Walter, o minúsculo filamento de tanta luz!

Benó, das flores bonitas

Piedade Sol, resplandecente

Graça Pereira, ligadora de margens

Sideny, dos bons-fim-de-semana

Rufina, da Alegria doce

e Dulce AC, a dos abraços amigos e a quem apenas posso responder aqui, porque não tem blog...

manuela

. intemporal . disse...

.

. como que chega rente à tarde e amanhece um livro .

.

. aqui encontro as palavras que me são olhos d`água . sempre em ascese . nunca em mágoa .

.

. este "filamento" é.me lira de oiro vivo . e aqui sobre.vivo .

.

. porque das palavras Suas, manuela baPtista, a exaltação da glória em linha recta . sempre tecto e sempre meta .

.

.

. um bom.fim.de.semana .

.

. um .

.

. dois .

.

. três .

.

. íssimos felizes .

.

. paulo .

.

manuela baptista disse...

seja a lira

constelação
ave
poema
sempre música

e o enleio esteio

que sustenta a tarde que amanhece

...bom fim de semana, paulo de P!

três beijos
felizes

manuela

Xani - (Xanfrada) disse...

Olá Manuela
Ainda ando por aqui, não me esqueci.
Gostei muito e mais uma vez dos seus desenhos. Esta parte sim, estou cá.
Quanto ao poema, não me atrevo.
Bom fim-de-semana.
Beijinhos
O pai Bártolo

manuela baptista disse...

Pai Bártolo

obrigada pelas palavras, fico-lhe grata!

e um dia

atreva-se a fazer uma identidade própria e um perfil, ou então, se ninguém o ajudar, escreva os comentários como anónimo e identifica-se no fim, com o seu nome. Verá como é simples!

e nós, nunca esqueceremos a Susaninha! mas vê-la o tempo todo por aqui, choca-me um bocadinho...

não se zangue comigo e lembre-se que nem todos teriam a coragem que eu tenho para lhe dizer o que penso

e volte sempre para ver os meus desenhos e conversar se lhe apetecer

um abraço

manuela

JB disse...

No olhar conseguimos captar as trovoadas...
No olharconseguimos apaziguar os enjoos da vida...
No olhar conseguimos ver nascer novos voos...
No olhar tudo cabe até as palavras que não se querem insinuar...
"porque simples é o meu olhar" mas tão profundamente vivo!

Beijinho

manuela baptista disse...

JB

e profundo será também o seu!

um beijo

manuela

Anónimo disse...

Olá Manuela:
Já pensei efectivamente mudar o porfil. O blogue "nâo é meu"... Pelo menos durante mais algum tempo vou tentar mantê-lo assim. Desculpe e obrigado pela compreensão.
Beijinhos
(seguindo, em parte, a sua indicação)
O pai Bártolo

Anónimo disse...

Olá, de novo, Manuela:
Olhe este teclado está como eu: claro que é "perfil". Hoje foi um dia mau. O grilo foi-se abaixo mas já recuperou.
Beijinhos
O pai Bártolo

manuela baptista disse...

até que enfim Pai Bártolo

assim está melhor...de perfil!

as melhoras para o seu coração e

um abraço

manuela

*Lisa_B* disse...

Querida Manuela,
entrei aqui contente e saio maravilhada.
Que lindos textos e desenhos...
Se ainda há estrelas a Manuela é a mais brilhante.
Beijinhos com carinho e que a chuva tão necessária mas...deixe secar um pouco as ruas.

São disse...

A trovoada seca é, às vezes, mais assustadora e pesada ...

Boa semana.

Beatriz disse...

Manuela
Este filamento, estas flores....que lindo!!!
às vezes me sito mareada de tudo, mas logo passa, he he...
Bjs
Bia
www.biaviagemambiental.blogspot.com

manuela baptista disse...

Lisa B

sempre bem vinda!

eu nunca me esqueço de si e do Bruno

dos Bês da blogosfera!

beijinhos

manuela

manuela baptista disse...

São

obrigada pela sua presença!

um abraço

manuela

manuela baptista disse...

Beatriz

quem gosta do mar, aprende a viver mareado :))

beijinhos

manuela

Nilson Barcelli disse...

A tua escrita é fabulosa. Parabéns.
De pintura, sou meio analfabeto... mas gostei das tuas "flores ainda no outono líquido".
Boa semana, beijos.

Por toda minha Vida disse...

Manu, minha querida amiga.

Muito obrigada pelo comentário encantador.
Te adoro.

Beijo.

Renata

manuela baptista disse...

Nilson

analfabeto, não me parece...

obrigada!

e boa semana para si também

um beijo

manuela

manuela baptista disse...

Renata

o teu avatar é uma jóia marinha!

obrigada

beijos

manu

disse...

Beijinhossssssssssssssssssss

o Outono das pétalas sempre com essa beleza...
+ beijo

manuela baptista disse...



também há rãs no Outono das pétalas...

um beijo

manuela