cadernos de viajar

não tem de ser fundo para que as mãos possam lá chegar leve é a qualidade que lhe assenta
.
primeiro a camisola de contemplar estrelas talvez do mar
.
a rede de soltar borboletas a caixa para guardar o som das cigarras não sei se as há tão longe quero estar
o caderno das argolas pretas onde imprimo os sentidos do vento lápis para quê
na terra existem todas as cores e os desenhos tenho-os só de me lembrar
.
por fim para não se amarrotar
o meu vestido feito de papoilas que há tanto é meu e já não sei se é de papoilas se é apenas ar
-
estas viagens são minhas
enganadoramente sem sair do lugar
-
-
(as papoilas fotografadas são de f.pedrosa
as desenhadas a pastel são minhas)
-
Manuela Baptista
2010/05/04

42 comentários:

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


Ai se não sais do lugar ...!

Às vezes, quanto mais te aquietas, mais longe te avisto!


Poderias ser papoila
ou tinteiro
um caderno
ou carpinteiro
que voarias
por inteiro


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 4 de Maio de 2010

walter disse...

Ai que me apetece chamar-lhe de Maria papoila!

Esse caderninho, feito caixinha do tempo quando se abre... a magia acontece!

Gosto de me afundar literalmente no "tempo" por mim guardado em caixas, caixinhas e caixotes e absorver os perfumes que o tempo foi produzindo...

Amei esta sua viagem!

Um beijo menina Maria Papoila

Walter

relogio.de.corda disse...

simples mas Bonito...

Brancamar disse...

Olá Manuela,

E a magia a contecer sempre por aqui, nas palavras e nas imagens.
Adoro papoilas, passei a infância a vê-las nascer nos campos e até na berma da estrada junto a minha casa e adorava colher uma de vez em quando e admirar as suas pétalas sedosas.
Passar hoje por aqui foi também esse regresso à infância nestas suas viagens.

Parabéns ao fotógrafo e à pintora, :))
Beijinhos
Branca

Canduxa disse...

Pintura a pastel
deliciosa!

borboletas e cigarras
em liberdade,

enchem o caderno
de sentir e viver,

o vestido de papoilas
faz de si uma princesa
.
linda viagem
sem sair do lugar

esta é a Manuela que voa em asas...

mil beijinhos

luís filipe pereira disse...

Excelente construção literária em que o lugar é atravessado pelo «vento impresso», pela porosidade eólica das palavras mais exímias,

grato pela partilha,

luís filipe pereira

Vieira Calado disse...

Nesta minha primeira visita

devo dizer que gostei e saio...

para voltar!

Beijinho

sonia disse...

Cadernos de sonho e de palavras.
Muito lindo

Bjo

direitinho disse...

Cadernos feitos de sonhos, papoilas e tantas coisas que correm no som do nosso olhar.
Saudades de te ler

Teresa disse...

Olá Manuela
Não é preciso mais do que isso para partir. Mesmo sem sair do lugar. Porque é dentro de nós que precisamos de abrir as asas.
Bjs

Por toda minha Vida disse...

Bom dia, Manu.

a rede de soltar borboletas a caixa para guardar o som das cigarras não sei se as há tão longe quero estar
o caderno das argolas pretas onde imprimo os sentidos do vento lápis para quê
na terra existem todas as cores e os desenhos tenho-os só de me lembrar.

Lindooooooooooooooooooooooooooooooooo!
Odeio Bajulação mais aqui é elogio, amiga você é demais.

Beijos mas quero minhas borboletas.

Renata

casos e acasos da vida disse...

Este seu «mundo» encanta-me e fascina-me!...
Beijinhos,
Marisa

Dulce AC disse...

Manuela olá...!

Nem sei bem que Lhe diga...

Será que existe alguém que nunca viajou assim...
enganadoramente sem sair do lugar..?!

Ser mais feliz também é implementar essas viagens...
Ser mais mais feliz também é
sentir sempre por perto esse campo de papoilas...

Eu sempre gostei de viajar até lá..onde ainda sei existe esse imenso campo de tantas papoilas...!!E outras flores pequenas como eu era...mas de um significado imenso..!

O meu dizer para Si só pode ser este Manuela: Um Obrigado de imensa gratidão por ter sentido essa sua magia que hoje aconteceu nesse desenhar de papoilas simultaneo de palavras tão especiais, sempre de encantamentos...

Beijinhos multiplicados...!
dulce

manuela baptista disse...

Jaime

mas se fosse um carpinteiro
voava com um martelo
segurava os pregos na boca
e o lápis na orelha

mas caso fosse papoila
era bem uma moçoila

ups! grande piroseira!
é melhor ser
carpinteira de palavras...

Manuela

manuela baptista disse...

Walter

olá Manel!!

isto é inveja pura
das sua viagens...

um beijo

Manuela

manuela baptista disse...

Olá Relógio!

que habita para lá do sol posto

aqui o sol

põe-se ali
ao pé do mar!

Acha que é o mesmo?

um abraço

Manuela

manuela baptista disse...

Branca

...mas aposto que nunca teve um vestido de papoilas, pois não?

beijinhos

Manuela

manuela baptista disse...

Canduxa

e tanto caderno que tenho para aí!

outros ainda estão dentro da minha cabeça...

beijinhos

Manuela

manuela baptista disse...

luís filipe pereira

gostei da porosidade eólica das palavras...

é mesmo isso que eu às vezes sinto!

obrigada!

um abraço

Manuela

manuela baptista disse...

Vieira Calado

Obrigada!

pode voltar...

um abraço

Manuela

manuela baptista disse...

sonia

...cadernos de palavras

e obrigada pelas suas!

beijos

Manuela

manuela baptista disse...

Direitinho, Luís

então fique por aqui

a ler!

um abraço

Manuela

manuela baptista disse...

Teresa

de asas abertas dentro de mim

parto mesmo!

beijos

Manuela

manuela baptista disse...

Renata

está bem! dou-te as borboletas...

mas para tão longo caminho
terão de ser das nocturnas, para viajarem com a noite!

obrigada Alegria!

beijinhos

Manuela

manuela baptista disse...

Marisa

todos os mundos
são um mundo!

beijinhos

Manuela

manuela baptista disse...

Dulce

na terra de Oz, também existia um enorme campo de papoilas

mas das dormideiras

e depois da sesta
procurávamos o feiticeiro
para lhe pedirmos

um coração
uma cabeça
coragem
e uma viagem de volta a casa

para onde queremos sempre regressar!

beijinhos

Manuela

Lídia Borges disse...

Papoilas em viagens por sonhos de encantar.

L.B.

manuela baptista disse...

Lídia Borges

papoilas sempre gostaram de malmequeres...

ou é um girassol?

um abraço

Manuela

alegria de viver disse...

Olá querida
Quanta coisa linda tem esses cadernos.
Uma mente fertil com historias do bem, que nos encantam sem parar.
Como são lindas as papoilas.
Com muito carinho BJS.

manuela baptista disse...

Olá, Rufina

tem tanta doçura o seu falar! já lhe tinham dito?

beijos

Manuela

Brancamar disse...

Pois não Manuela, nunca tive um vestido de papoilas, embora a minha avó me bordasse muitos bolsinhos e peitilhos com flores, mas outras...por isso fiquei a pensar como seria um vestido a parecer um campo de liberdade...
Beijos
Branca

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


... carpinteira de palavras mas desde que não pirosérrima!!!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 5 de Maio de 2010

Graça Pires disse...

O sangue acentuado das papoilas colorindo os campos e a imaginação de quem as pinta. Adorei, Manuela.
Um beijo.

manuela baptista disse...

Branca

eu só tive um vestido branco com a história da carochinha bordada na borda da sainha!e em verso...

Ninguém me deixava em paz a lerem a história. Mandei o vestido às urtigas e vesti uns calções!!

beijinhos

Manuela

manuela baptista disse...

Jaime

às vezes é tão bom ser pirosa!!

Manuela

manuela baptista disse...

Graça Pires

...eu também :))

um beijo

Manuela

b ú z i o disse...

q lindas papoilas...eu gostava de saber desenhar e conseguir colorir os meus rabiscos...de qualquer modo, perco a vergonha e exponho-os no blog à espera de críticas ;)

um bj carcavelense

manuela baptista disse...

búzio

e eu também sei lá desenhar!! isto é tudo sem técnica nehuma...

beijos estorilenses

Manuela

Fragmentos Betty Martins disse...

.________querida Manuela




...as viagens que se fazem nos "cadernos das argolas pretas"!
.

tão.preciosas imagens
._______paisagens

que sabiamente
as.palavras_____as suas

.levam-nos no traço da cor

num trilho de caminho.chamado.imaginação


.mágico__________sem fim:)




_____________///




beijO_______ternO
bFsemana

manuela baptista disse...

querida Betty

nos trilhos
destes caminhos

mágicos de si!

um beijo

Manuela

Linda Simões disse...

O caderno de argolas pretas para imprimir os sentidos do vento...


E o vento chega, como uma brisa suave ou furacão,mas chega...


E quando vem,encontra uma moça vestida de papoilas...Ou ar...


Majestosa.


Uma beijoquinha

manuela baptista disse...

Linda, Papoila

hoje vou passear

com uma camiseta de ar!

beijinhos

Manuela