mergulhante






Um mergulho, antes do sol-pôr? Antes de as sombras cobrirem a água, antes do grasnar das aves, um pouco antes da quietude da noite?






















E no fundo o lodo, a rocha, o peixe calado. Depois voltamos à superfície, inspiramos, regressamos a casa a tiritar, enrolados nas toalhas, os pés ainda descalços e a porta aberta, está sempre aberta a porta para quem quiser entrar e a mesa da cozinha é grande e o pão quente com muita manteiga.

Se ouvirem rir, sou eu a mergulhar, a respirar, a desalinhar, a outonar, a aportar.








5 comentários:

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA


Um mergulho?
Sim, um mergulho como mergulhar é ir até aos confins.
Até aos confins sem medo do que está no ir e no voltar.
Um mergulho sim, de todas as estações.


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 6 de Outubro de 2018

Rogerio G. V. Pereira disse...

Estava eu, mergulhado
em algas e lodo enlaçado
brincando com uma concha
e...
ouvi
um suave gargalhar

Agora sei
eras tu a aportar

Marcos Satoru Kawanami disse...

Palavras que inspiram paz e aconchego.
pax et bonum
Marcos

Graça Pires disse...

Posso entrar também, Manuela? O pão quente com manteiga e o teu sorriso são convites tão especiais…
Uma boa semana.
Um beijo.

mz disse...

Um mergulho e depois pão com manteiga…

Aporta delícia como as suas palavras!