eclíptico














Perdemos dois gramas de peso. Escurecidas as folhas, as casas, as marés e as meninas dos nossos olhos.
Há um vale de gelo algures, crateras, longos penhascos e em outro lugar, um castelo de pedras angulares com uma torre virada para o mar. Nela canta uma mulher à espera e os dedos abertos sobre a face fazem lembrar os palmeirais ao entardecer.
No equinócio.























20 comentários:

Jacintinha Marto disse...

Chegou a meia noite, as irmãzinhas da Segurança Social começaram a levar-me para o relento,
e eu,
coitada,
a tentar mexer a vértebra para o lado, só perguntava, não acham que ainda e cedo para o meu calvário?...,
e elas,
isto e só para as da lista VIP, amanhã, aliás, hoje, vai haver eclipse, e já que não consegues ser útil em nada, ao menos ficas com os os olhos postos no céu, para ver se há mesmo eclipsações solares, e eu, uma "ingénera", ainda perguntei, mas vai o solzinho dançar, e elas, achas?, filha, andas um bocado desatualizada: passa-lhe uma coisa à frente, ele fica escuro, e nada mais, danças, só nos alunos de Apolo, e em dia de festa, e lá me puseram na rua, sorte ser lua nova, por que, devagarinho, começaram a vir as sombras do costume, eu a querer a ver os céus e a ficar com os olhos cobertos de caras pretas, dizem que aquilo é lá para as nove, a essa hora já devo estar eu como os favos de abelhas, quando os operários vêm visitar a mestra, acho que vou olhar para cima e só ver um eclipse de carapinhas...
Para o comum dos mortais, o próximo é em 2026, para mim, vai já ser no sábado a seguir a esta sexta, aliás, todos, todos, os dias.
creio que nasci para a Astronomia, não acham?...
Sou uma Jacinta por favor e um Steve Hawking por fora,
por fora,
e da barriga para baixo,
só rezo para que com tanto eclipse não fique como ele, com a boca toda torta...

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA





há mesmo minha querida



Jaime Latino Ferreira
Estoril, 20 de Março de 2015

Rogerio G. V. Pereira disse...

Não não parecem palmeiras
mas ciprestes
destes
de ornamentar cemitérios

. intemporal . disse...

.

.

. há em Si . uma estrela de alva . a qualquer hora do dia . como se fora um astro que alastro a todos os corpos celestes .

.

. íssimo . sempre feliz .

.

.

disse...

Aqui não há tristeza nem luto, apenas algum escorbuto, proveniente de uma árvore fruteira, da família das rosáceas...

Kika disse...

Kriu?

Que nunca te palmem as palavras!

Kriu!

Marcos Satoru Kawanami disse...

Aqui no Brasil, chega o outono, e, aí, a primavera.
A moça na torre lembrou-me "Ismália" de Afonsus de Guimaraens: "Quando Ismália enlouqueceu, pôs-se na torre a cantar. Via uma lua no céu, via uma lua no mar...".

=)

luís rodrigues coelho Coelho disse...

A pintura das palavras faz um quadro luminoso.Foi necessário parar,ganhar novo alento para caminhar,adentrando nesta paisagem.

Graça Pires disse...

Ouço o cantar da mulher. Tem nas mãos todos os sonhos do mundo. Por isso os seus dedos se alongam sobre o rosto...
Um beijo, Manuela.

Graça Pereira disse...

Chegou a primavera nos teus versos e, por certo, a mulher canta feliz por uma tão longa espera...Beijo
Graça

Luís Alves da Costa disse...

No Dia da Poesia e da Árvore fui procurar as coisas leves, e estão sempre no lugar das menos encontradas: trouxe o bonsai, em vinha, para casa.
Antes da sua viagem, teve uma extremidade cortada, e agora, que as horas são passadas, no lugar do corte há uma forma de lágrima, como se todas as frutas do mundo se estreassem nesta antecâmara da primavera.

Creio ser isto a lógica afetiva do Mundo

Beatriz disse...

No hemisfério sul temos a primavera ainda longe.....mas cantamos o belo outono e começamos a nos despedir das chuvas....que pena!

Beijinho Manuela

<°))))< Bia

Agostinho disse...

No equinócio
lá no palmar
tanto vale
o solar
como o luar

ONG ALERTA disse...

Chegando outono aqui, muito lindo.
Beijo Lisette

Mar Arável disse...

Um belo ciclo de marés

Luís Alves da Costa disse...

"Os palmeirais ao entardecer": é isso :-)

Vou agora visitar o equinócio ao contrário, nas minhas praias onde as estações estão ao inverso, e as falésias cobrem todas as cores do arco íris. Sombras quentes e o mar equatorial, e, pelo fim, uma lua cheia de alíseos.

De lá trarei um pouco, para deixar aqui :-)

manuela baptista disse...

dépaysement

boas viagens!

de aqui, levarei um pouco para deixar ali

MARIPA disse...


Sonho. Vejo-me na torre do castelo a ver o mar ao fundo e encantando o meu anoitecer...

Beijinho amigo,Manuela.

Rita Freitas disse...

E dessa torre vejo a primavera :)

bjs

. intemporal . disse...

.

.

. vin.te . ver . :) . e deixar.te um abraço longo e prolongado . lutadora ímpar . na permanente demanda dos dias felizes .

.

. íssimo . sempre . e para sempre feliz .

.

.