o primeiro dia

amanhece e os lençóis cheiram a lavado os pés cresceram nas sandálias cor-de-rosa
os calções
que chegavam aos joelhos feridos esfolados de gravilha e pedra fina tropeços na bicicleta velha
enfeitam agora as coxas torneadas em saudades de ondas e de espuma
claras em castelo farófias doces de canela e casca de limão
onde vão
já foram
que hoje é o primeiro de tantos dias de um verão sem fim e as coisas guardadas têm os seus lados e é preciso virá-las para que se anunciem
a varanda colada à nespereira centenária que tem cem anos e outros cem também teria e os caroços cospem-se contra o vento

para chegar mais longe e ser o campeão da porcaria
os pássaros deixam-se roubar
mas ninguém quebra o segredo dos ninhos
porque ser mau não leva a lado nenhum
mas se teimares há uma cadeira no sótão ardente em tecto baixo
a cabeça nem lá cabe solta-se um galo que cantará na madrugada
se confundir a luz da lua com a de uma estrela alada
quando vem a tarde quente as pálpebras não têm mão nos sonhos que se escapam escondendo-se nos romances de amor preferidos das páginas coladas pelo tempo

são sempre os mesmos contados de maneira diferente
não jantamos sequer porque o canto das cigarras até dói

e ainda não contámos o que vivemos entre o último e o primeiro dia
aquele em que os lençóis lavados nos falaram da certeza de sermos belos e eternos

e de fazermos tudo o que nenhum de nós fazia
-
esta é apenas uma página de um verão eterno
foto e aguarela de mb

30 comentários:

AC disse...

Talvez o segredo seja o perpetuar do lavado dos lençóis...
ou
Talvez passe um anjo, que me dê boleia, e se sente comigo no topo do mundo, onde nos riremos enquanto sopramos caroços de nêsperas...
ou
Talvez eu goste de mais destes textos..

Beijo

BRANCAMAR disse...

Se não me engano este botão tão lindo é o de um gladíolo a rebentar. Adorei. A côr é lindíssima!
A história do primeiro dia é tão linda e romântica omo o gladíolo a florir e os lençois lavados do primeiro não sei porquê lembram-me sempre lençõis frescos de fino linho...mas verões eternos devem ser muiuto cansativos, tanto calor, todos os dias, Manuela?!
Adoro as quatro estações, as mutações da natureza, fora e dentro de nós...ah como adoro a chuva, as ruas atapetadas de folhas no Outono e o chilrear dos pasasrinhos e toda a natureza a desabrochar na Primavera.
Gosto do Verão, mas também me sinto bela e eterna nas outras estações, hahaha!
Já pareço o rasteirinho a gabar-se!
Esta auto-estima anda à solta, eu bem disse que agora é que iam conhecer a verdadeira Branca, que só se manifesta quando tem vida de "monja". É tão bom não andar com malas pesadas às costas, quem diz malas, diz tudo, todo o lixo que se acumula durante a vida e que muitas vezes nunca se quis.
Mas, o que é que isto terá a ver com Verão eterno?
Deve ter, porque o verdadeiro Verão é esse, o da alma, sim se calhar tem razão, pode haver sempre um Verão dentro de nós, um Verão eterno...e ameno,sem temperaturas muito elevadas, já chega as que temos vivido por estes dias.:)
Beijinhos
Branca

Jaime Latino Ferreira disse...

E AINDA NÃO CONTÁMOS


E ainda não contámos tudo para lá do que se conta ... tão bem!


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 28 de Julho de 2010

Graça Pires disse...

Quase todas as palavras são adequadas para evocar os dias para sempre agarrados a um "verão eterno". Tentamos recordar aquela inocência tão próxima da brancura dos lírios...
Um texto maravilhoso, Manuela.
Um grande beijo.

Dulce AC disse...

"aquele em que os lençóis lavados nos falaram da certeza de sermos belos e eternos"

crianças fomos...
e somos

recordamos

o banho tomado e os lençois
com tantos cheirinhos
num soninho tão descansado

belos e eternos estes momentos..sem dúvida..!

num Olá muitos beijinhos de verão...

dulce

manuela baptista disse...

AC

ah! também gosta de soprar caroços de nêsperas??

obrigada!

um abraço

Manuela

manuela baptista disse...

Branca verdadeira "que só se manifesta quando tem vida de monja"

esta não percebi muito bem...mas como eu gosto de conventos e pelo menos aí, a frescura é um facto!

e, sim é um gladíolo bebé

mas

neste momento e com este Verão eterno já nem sei o que é que é...

embora tudo, mas mesmo tudo, tenha a ver com a eternidade de qualquer Verão!

beijinhos

Manuela

manuela baptista disse...

Jaime

obrigada!

Manuela

manuela baptista disse...

Graça Pires

e na brancura eterna dos lírios

agradeço!

um beijo

Manuela

manuela baptista disse...

Dulce

...e ainda não existiam amaciadores

"confort" :))

beijinhos

Manuela

walter disse...

Olá Manuela!

:))))))))

Ainda bem que a Branca reconheceu o botão... eu olhei e vi uma rosa acabada de ser soprada através da mangueira de regar o jardim... :)))

Eu sempre vejo coisas que outros olhares não alcançam! :)))

Instintivamente o soprar dos caroços de nêsperas levou-me a mim também no mesmo sopro e aterrei literalmente de joelhos numa noite de um certo Verão onde as cigarras e os grilos enfeitavam de cantigas as estrelas...
os joelhos esfolados sempre! quanto mais esfoladelas melhor era o Verão e caroços de nêsperas sempre apontadas às cabeças mais próximas e já adormecidas sob um lençol tecido de luar... que meninos tão máus! :)

Parabéns Manuela por este Verão tão refrescante, o do conto naturalmente, porque este está quente demais e só me apetece dizer que seja eterno enquanto dure... bom! talvez o diga porque já não estou de férias... :))))

a aguarela é tão bela quanto o conto

Um beijo e uma limonada estúpidamente gelada

Walter

manuela baptista disse...

Walter

primeiro
a aguarela!

vinda de si, a apreciação, fez-me inundar quilómetros de mangueiras de baba

as tais, por onde aqui neste burgo, se sopram todas as manhãs os gladíolos pequeninos que acertam directamente nos melros...

meninos maus? e meninas, se quer saber!

obrigada pássaro visionário!

agora vou fazer a limonada

um beijo

Manuela

BRANCAMAR disse...

Olá,

Vim ver outra vez os lençois frescos, a cheirar a sol e sabão e achei muita graça a todos os comentários, porque me parece que todos fugiram ao cerne da questão final, tão puros e ingénuos os seus comentadores e amigos, mas o "...e ainda não contámos o que vivemos entre o último e o primeiro dia
aquele em que os lençóis lavados nos falaram da certeza de sermos belos e eternos

e de fazermos tudo o que nenhum de nós fazia", é para mim das mais linda metáfora que poderia encontrar para o amor.

Adorei e por isso voltei.
Peço desculpa pelos erros do primeiro comentário. Ando literalmente a dormir.
Beijinhos
Branca

BRANCAMAR disse...

Hihihi

No segundo comentário ao emendar o texto esqueci-me dos plurais, senhora professora. Ia escrever "A mais linda metáfora" e emendei para "das mais lindas metáforas", esquecendo-me de acrescentar s em linda e metáfora. E "prontus", :)) já expliquei.
Beijinhos, já quase de olhos fechados.

J Araújo disse...

Manuela, passei por aqui e gostei muito do seu blog.

Bj

alegria de viver disse...

Olá querida amiga

Se esta é apenas uma página de um verão, fico imaginando como serão as outras. Todas com belos contos, que nos emocionam e lembram a grande pessoa de alma pura.
Querida, muita luz em seu coração.

Com muito carinho BJS.

alegria de viver disse...

Querida

Voltei, porque esqueci de falar sobre a aguarela, você sabe que amo pintura, arte é para génios.
Pessoas iluminadas.
Com muito carinho BJS.

manuela baptista disse...

Branca metafórica

puros e ingénuos somos
belos e eternos seremos

há tantas leituras para um poema
quantas as histórias que inventamos quando nos reencontramos

no primeiro dia de férias!

a professora? não está!
o castigo pelos erros cometidos?

contar milhões de caroços que tanto podem ser de nêspera como de cereja

beijinhos

Manuela

manuela baptista disse...

J. Araújo

então obrigado
por ter passado por aqui!

um abraço

Manuela

manuela baptista disse...

Rufina

quando entra por aqui

eu fico assim tão desarmada
como se me acendesse uma luzinha

e eu lhe oferecesse infindáveis contos de Verão...

beijinhos

Manuela

. intemporal . disse...

.

. e.terno é o verão que assim se insinua no declive da maré alta .

.

. e é na nostalgia dos raios de Sol que o tempo abranda na composição de um poema .

.

. abrangente é o tema que assim se inscreve nas asas do tempo .

.

. porque "um dia a vida é um luxo" .

.

. e ser mau é assumível desde que num rasgo do tempo . a.penas .

.

. o perigo reside sempre no sentimento de vingança que perdura a maldade no des.tempo de um tempo sem alento .

.

. e agora vou, temendo crescer um pouco mais até,,, des.nudando a integralidade da coxa outrora semi.virgem pela violação a quatro.mãos e entre.laçada nos quatro pés que levitando teimosa.mente teimam em manter.nos no chão, onde somos o tecto e o afecto .

.

. e por falar em afecto, re.digo:

.

. gosto muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito muito .

.

. de Si _____________________ .

.

. um bom fim de semana .

.

. e dê.me cá um beijo daqueles que eu inventei .

.

. total .

.

. paulo .

.

manuela baptista disse...

Ups!!!

que resposta deste tanto
posso eu dar

Paulo inventor da totalidade das coisas?

nas asas de um tempo
generoso e sábio
que nos deixa sempre crescer mais um bocadinho

um beijo total
pois claro!

Manuela

BRANCAMAR disse...

Manuela,

Respondendo ao seu comentário, ainda não se podem sentar, mas logo que cheguem as cadeiras eu aviso...
Há sempre três reservadas, :))
Beijinhos.
Branca

manuela baptista disse...

...na primeira fila

imagem e som
de alta definição!

beijinhos Branca

Manuela

. intemporal . disse...

.

. e re.volto . vezes sem.conta .

.

. porque este blogue é ímpar de bel.íssimo . aqui,,, sinto.me tão bem . tão bem . tão bem . tão bem .

.

. um bOM dOMINGO, querida amiga .

.

. xim? xiu! .

.

. um beij.íssimo total.íssimo .

.

. paulito .

.

O Rasteirinho disse...

Este blogue é o mais lindo
Que Deus ao mundo pôs
Pelas mãos da Manuela
Enquanto esperava à janela
que cozesse o feijão com arroz

Porque eu sou o mais bonito
E quase todos gostam de mim
Os que não gostam apenas me invejam
Porque não conseguem ser assim

Já dizia o Álvaro de Campos
Que o mundo é para quem nasce para o conquistar
Por isso não vale a pena tantos prantos
Logo agora que eu vou casar

Com a Mindy só podia ser
Senhora bela e bem formada
A cerimónia está-se mesmo a ver
Em Fevereiro próximo irá ocorrer
E já temos casa montada

Um beijinho de quem? de quem?

D`O Rasteirinho, pois claro.

manuela baptista disse...

obrigadíximo

que xe me alegra o coraxão!

bom domingo, Paulito!

um beixinho

Manuela

manuela baptista disse...

esta agora, Croc!

e eu que pensava que seria comigo...

mas tens razão
o norte é mais húmido

vá lá...um beijinho
como prenda de casamento

Manuela

BRANCAMAR disse...

Hi! Meu Deus chega uma pessoa a estas horas a casa, depois de muito trabalhar um Domingo inteiro e encontra uma balbúrdia lá no seu sítio.
Agora que venho aqui deixar beijinhos de boa noite, a festa continua, mas que grande "bagunça" se instalou na minha ausência...
Este rasteirinho já casou com todas, vamos lá ver em que ficamos, comigo, com a Sideny e com mais alguém pelo caminho, agora volta ao princípio, deve ser um ritual crocodiláceo este de andar às voltinhas, é mesmo um peluchinho de estimação Manuela e nós dizemos que xim e ele fica contentinho, :))

Beijos
Branca
Beijinhos
Branca

manuela baptista disse...

beijos
Manuela
beijinhos
Manuela