O SORTILÉGIO DE UMA CAIXA DE CHÁ

Gostava do silêncio. De ficar calado a sonhar, a imaginar como seria se os pássaros não tivessem asas mas as crianças pudessem voar. Ou então, a escutar os sons dentro de si, o bater do seu coração, a música na sua cabeça e mais longe, tão longe que apenas ele ouvia, o ladrar de um cão, o grito de um mocho, as ondas do mar, o assobio do vento.
O rapaz vivia numa casa grande, com muitas janelas por onde entrava o sol nos dias quentes e a chuva miudinha nos dias de Inverno. Às vezes deambulava pelas suas divisões e ouvia o seu pulsar, como se a casa estivesse viva e cada quarto lhe contasse uma história dos seus anteriores habitantes, dos meninos que tinham sido felizes entre as suas paredes.
Mas a sala de que ele mais gostava, situava-se no rez-do-chão, mais perto da terra onde estava seguro e dava para um pátio calmo, no meio do qual, subia até ao céu um enorme castanheiro. Era ali que o rapaz trabalhava nas suas caixas de madeira, era ali que se sentia bem. As suas mãos, grandes, esguias e delicadas cortavam, montavam, colavam e pintavam as mais variadas caixas e a sua imaginação galopava e uma caixa já não era mais uma caixa, mas uma construção mágica que ele acariciava e amava: caixinhas de música, caixas de brinquedos, caixas de lápis, caixas para as jóias das senhoras vaidosas, para os lenços de seda ou de papel, para os atacadores, caixas de segredos, com segredos, para o café e caixas de chá. Essas eram as mais bonitas! O rapaz gostava de chá e conhecia todas as suas espécies: os pretos da Índia, que roubam o sono, os verdes que acalmam, os frutados que fazem sonhar...E de olhos fechados reconhecia-as pelo cheiro, com o toque de um dedo!
E veio um dia em que concluiu a mais bela de todas as caixas e pensou "Esta não a dou nem a vendo, nunca mais..." Era a sua caixa de chá!
As outras caixas sabiam que ela era a preferida, mas metidas na sua vida quadrada e com uma tampa por cabeça, não se importaram absolutamente nada.
A caixa tornou-se orgulhosa, temperamental, instável e todos as noites fugia da prateleira e todas as manhãs aparecia num lugar diferente: em cima do piano, debaixo da mesa, dentro do roupeiro.
O rapaz achava imensa graça e com todo o carinho limpava-lhe o pó, arrumava-lhe os pacotinhos de chá e restituía-a ao seu lugar.
A mãe dizia, "Esta caixa tem demasiado chá preto! Anda com insónias!"
Numa noite de lua nova enquanto todos dormiam, o rapaz ouviu um ruído que o fez acordar. Cheio de medo olhou para o pátio, sem coragem para se levantar. O castanheiro ainda lá estava e isso sossegou-o. Quando era pequeno e sentia dificuldade em adormecer, a mãe dizia-lhe "Imagina que o grande castanheiro contém um segredo e que dentro do seu tronco se esconde o mais belo livro de histórias e imagina, só por um momento, a sua voz forte e calma a contá-las para ti, apenas para ti..." Então, o rapaz adormecia embalado pela voz amiga da sua árvore e já não tinha medo. E agora era um rapaz grande, com um coração de menino pequeno.
Mas não era o castanheiro, era alguma coisa dentro da casa, um som de vozes fininhas a discutir e ele ouviu claramente alguém dizer "Mas é preciso ser-se muito mal educado para me borrar assim a pintura!! Francamente!!"; "Ah sim?!" responderam, "Pois fazia melhor se tocasse outra música, essa já cansa..."
O rapaz levantou-se de um pulo e ligou a lanterna que tinha sempre debaixo da almofada, pois nunca se sabe se a meio da noite, temos de fazer uma viagem inesperada ou até, iluminar um sonho, e pé ante pé dirigiu-se à sala, mas assim que abriu a porta as vozes calaram-se.
Muitas outras noites os ruídos voltaram, e todas as caixas que o rapaz construía ganhavam vida, contagiadas pela sua amada caixa de chá que a todas desinquietava, que a todas tirava da sua pacatez de caixas.
Às vezes ouvia-se alguém reclamar: "Gostava de saber, porque é que a minha caixa das jóias está cheia de atacadores?!!" ou então "Eu mandei-te fazer um desenho, não percebo porque é que estás a brincar com uma caixinha de música??".
E o rapaz que gostava do silêncio e da voz de um castanheiro, sorria e devagarinho, enchia a sua mais bela caixa com pacotinhos de chá frutados que fazem sonhar.
-
Este conto é para o Bruno
que gosta de ler as minhas histórias
e para todos
os que ainda são capazes de dar vida a uma simples caixinha de chá.
-
-
Manuela Baptista
Estoril, 6 de Janeiro de 2009
-
Se quiserem conhecer o Bruno e as suas caixas, ele está aqui:

63 comentários:

Jaime Latino Ferreira disse...

PARA O BRUNO


Um belo dia, perguntei a um aluno meu com aquela fina sensibilidade que o Bruno também tem, o que era, para ele, o Sol.

O meu aluno, prontamente, respondeu-me:

- O Sol, o Sol é uma janela!

Estupefacto, olhei primeiro para ele, depois para o Sol, assim de viés como se deve olhar para ele e ... e dei-lhe toda a razão!

O Sol é uma janela que nos mostra e ilumina os sonhos como uma caixinha de chás mágicos.


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 6 de Janeiro de 2010

*Lisa_B* disse...

Querida Manuela,
ainda antes de receber o seu comentário a avisar da promessa cumprida :-) já cá tinha vindo espreitar e ao ler as primeiras palavras do conto... logo pensei no Bruno como inspirador da mesma e assim foi.

Adorei este conto e depois chamei o Bruno que a leu sozinho sem saber que era para ele e logo que leu "caixas" pensou logo é o meu conto :-)

Ficou muito contente e foi chamar a irmã para a ler com ele mais uma vez e interpretar.

A irmã gostou muito e sem saber o que se passava nem para quem era o conto disse logo que descreveu as mãos compridas do rapaz ...ohh espera aí este conto foi escrito para o Bruno? :-) Ele disse sim foi para mim:-) satisfeito e ela ficou emocionada pelo gesto e conto.
Recado dela:
"A Manuela tem algum livro de contos? Se não tem é caso para pensar seriamente nisso."

Manuela eu já tinha perguntado o mesmo portanto...

O Bruno não sabe exprimir muito bem os sentimentos ...como nós estamos habituados a ouvir de outras crianças.
Sendo um jovem especial...define apenas o gostar e nunca usa o amar ( nem amar a mãe etc...) o gostar é o todo e portanto ele aqui disse : eu gostei do conto!
Sorriu e que bom é vê-lo quando sorri...

Adoramos mesmo o conto e vivemos aqui uma emoção partilhada a 3 deste lado.

Obrigada!!! Muito obrigada...

Beijinhos nossos (3)

Ainda estou a degelar do treino desta noite...dificuldade em deslizar os dedos pelas teclas.

*Lisa_B* disse...

Lindo Jaime,

para mim todos os profissionais ligados à música são lindos...

Gostei muito de saber que já teve o privilegio de ensinar um destes alunos bem especiais e que nos mostram a pureza,juntamente com a verdade e simplicidade do que é ver a vida através dos seus olhos e sentir.

Ao ler o seu comentário o Bruno disse: O Sol para mim é :a chave da alegria.

O Sol pode ser muita coisa depende dos nossos sonhos, imaginação, vivência,passado,presente e futuro.

Jovens como o Bruno sentem o mundo em que vivemos de uma forma bem diferente...acho que simplificam aquilo que nós teimamos em complicar.

São muitas as vezes que dou comigo a desejar sentir como ele sente, pensar como ele pensa, ausentar-me daqui como ele se ausenta.

Muito obrigada pela partilha.

Beijinhos nossos

Linda Simões disse...

Manuela,

caixas tão lindas que fazem sorrir o Bruno...

É como o Sol que é uma janela e brilha sempre...


Parabéns, amiga.


E que venha o livro de contos!



E fiquei tão emocionada...


Beijoquinhas

Linda Simões disse...

... a Lisa tem razão:

O Sol pode ser muita coisa.

Depende de nosso olhar...


http://www.youtube.com/watch?v=17hDEOcH_kk



Beijossss

batista disse...

adoro histórias. ouvir e contar. inventar. reinventar. a tua história, como toda boa história, nasce dos sonhos e se espalha no vento. pega carona no brilho das estrelas. pousa na crista da onda mais alta. lambuza-se de espuma como criança a se deliciar com algodão-doce. ora voa, ora mergulha. uma boa história chega em todo lugar, a qualquer hora... a tua história me chegou numa manhã de chuva miúda. trouxe certeza de sementes a germinar.

grato, de coração.

deixo um abraço fraterno.

batista disse...

adoro histórias. ouvir e contar. inventar. reinventar. a tua história, como toda boa história, nasce dos sonhos e se espalha no vento. pega carona no brilho das estrelas. pousa na crista da onda mais alta. lambuza-se de espuma como criança a se deliciar com algodão-doce. ora voa, ora mergulha. uma boa história chega em todo lugar, a qualquer hora... a tua história me chegou numa manhã de chuva miúda. trouxe certeza de sementes a germinar.

grato, de coração.

deixo um abraço fraterno.

Jaime Latino Ferreira disse...

* LISA B *


Minha Querida Amiga,

Essa dos profissionais ligados à música serem lindos, tem muito que se lhe diga!

Em todo o caso, adiante ...

Se o Bruno diz que o Sol é a chave da alegria, sendo chave não anda longe do que me disse esse meu aluno já que chave, sendo clave, permite decifrar, iluminar, ver, ler e ser código de acesso a ...

Clave de Sol!

Sol quer em sentido figurado como literal também!

Já pensou, pensou concerteza (!), o que seria de nós, da própria música, sem o Sol!?

Pense, se o quiser, assim:

Todos somos especiais e o Bruno na sua visão ímpar é-o concerteza sendo que na sua visão ímpar, singular, nós é que estamos em desvantagem porque, quantas vezes, estamos extremamente limitados em compreendê-la!

Mas ela, a visão do Bruno, é parte de nós e só pode, assim o queiramos e consigamos perceber (!), enriquecer-nos!

Simplificar ...!

Simplificar é tornar claro, luminoso, solar diria, o que é confuso sem lhe retirar toda a sua complexidade.

Gosto, gosto do Bruno e dê-lhe, da minha parte, um grande Abraço.

Para Si, um beijinho


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 7 de Janeiro de 2010

J. Ferreira disse...

Manuela,

Escrever sobre coisas simples, transformando-as em obra de arte, não é para todos.

Indubitavelmente Manuela, você está no restrito grupo dos que possuem esse dom.

Gosto de a ler, e pronto.(felizmente não estou só)

Um abraço,

José

Ps. Em tempo acrescento e para que ele não fique com cíúmes,-:)! de igual modo muito aprecio o que o Jaime escreve, sobretudo em poesia.

Graça Pires disse...

Este conto maravilhoso também é para mim que adoro que me contem histórias maravilhosas...
Um beijo, Manuela.

J. Ferreira disse...

Manuela,
Há pouco, no correr da pena, (falta-me o seu dom) esqueci-me de mencionar, que ao referir o Jacek Yerka, (que admiro) me surpreendi, pois não consegui encontrar analogia entre ele e aquilo que escreveu.

Como não sou profundo conhecedor da obra dele, será que o conto tem a ver com um quadro dele, ou algum quadro dele que quis inserir? (e que não aparece)

Abraço,

José

manuela baptista disse...

Lisa

Obrigada pelas palavras e pela menção no seu blogue!

respondendo à sua filha,
digo, que não, não tenho nenhum livro publicado...


Bruno

eu também gostei de escrever este conto!

Sabes, não é um rapaz qualquer, que depois de um treino de football e com as mãos e os pés gelados,
ainda tem a paciência de ler histórias.

Tens de ser um rapaz muito especial!

um grande abraço para os três: Bruno, Lisa e Eloísa

Manuela

manuela baptista disse...

Linda

clave de sol dos nossos blogues!

O rapaz é que faz sorrir as caixas...

beijinhos

Manuela

manuela baptista disse...

batista

e aqui

com chuva forte e fria
recebi as suas bonitas palavras!

eu acho que "pegaram carona" de uma nuvem...

um abraço

Manuela

manuela baptista disse...

José Ferreira

meu salvador!

ainda bem que reparou nas asneira da identificação do pintor!

Isto é o que dá ter um arquivo com tantas imagens, que me perco...

E obrigada pelos elogios :))

Um abraço

Manuela

manuela baptista disse...

Graça Pires

então é cá das minhas!

ou dos nossos...

um beijo

Manuela

carlos disse...

Manuela, são os aromas que perfumam o ar de quem gosta dos prazeres da vida...Beijos. Carlos

Eliane disse...

Manuela!
Ficou lindo o conto e o Bruno bem mereceu!
Beijinhos!

Dulce AC disse...

Morangos, cerejas, maças, pêras, laranjas, tangerinas,
romãs...cheirinhos de muitos chás naquela caixinha do Bruno,
também de música e de silêncio
caixinha de muita magia por tê-la a alegria...

E sossego
porque sei que lá fora continua resistente o castanheiro...

Muitos beijinhos
e um abraçinho muiiiiito grande para o Bruno.

E Manuela Obrigado
por neste dia de tanto frio... sentir-me e conseguir sossegar.

dulce

Nely disse...

Chego atravez do blog Ser Cristal para conhecer em especial este conto dedicado ao Bruno...e amei.
Muito sensivel, encantador, parabéns.
Pareceu -me ver realmente um pouco da alma do Bruno, que conheço apenas pelas palavras da sua mãe, mas consegui entrar um pouco dentro do seu coração.
Um belo presente.
Abraço amigo.

Dulce AC disse...

São inquestionávelmente maravilhosas as palavras das Suas histórias Manuela

E muitos pedacinhos de nós despontam muitas vezes implícitos nelas, nessas palavras, por sê-lo senão vividos, por sê-lo momentos de vida sonhados...

E um abraçinho!

dulce

*Lisa_B* disse...

Queridos Manuela e Jaime,

cheguei agora a casa.
Não, desta vez a culpa não foi treino isso é amanhã...mas um acidente ocorrido entre um camião e dois ligeiros que me fizeram ficar 2h em fila parada.
Pior foi para as vitimas, embora pelo aspecto dos carros penso que não terá sido nada fatal.

Agradeço os comentários e carinho dos dois para connosco.

De facto o Bruno ontem enquanto eu escrevia ele ia dissertando sobre clave de sol etc...mas eu muitas vezes já nem consigo captar o que ele vai dizendo pois o seu pensamento voa...voa para onde ele não consegue voar e deixamos muitas vezes de o poder seguir nesse fio de pensamento muito próprio dele.

Eu disse que todos os profissionais ligados à musica são lindos, volto a reafirmar porque quem tem a música na profissão,tem beleza na alma. Através da música chega-se à alma dos que sofrem...e dos outros também mas...existem várias terapias que se usa a música para chegar onde a palavra nem sempre penetra como sabe.

A Manuela é linda com as suas palavras que desenham sorrisos
em rostos merecedores de tal sentir. Poucas são as vezes que vejo o rosto do meu filho iluminado porque a vida não tem sida nada fácil para ele nos ultimos 5 anos, mais grave desde Dezembro 2007.

Agora a magia da vida vai aocntecendo dentro dele, num sorriso, numa corrida atrás de uma bola que vários disputam num treino,numa caixinha que termina, numa tela que pinta...numa música que compõem...lindo quem inventou a clave de Sol, a música, a pauta,o som, as palavras...pois fizeram e fazem com que aconteçam pequenos grandes milagres para muitas pessoas(generalizo).

Obrigada do coração aos dois lindos.

Beijinhos nossos com carinho.

P.S Aguardo a edição do livro ;-) ou irei compilando os contos, histórias que aqui edita.

*Lisa_B* disse...

Dulce AC

Tentei ver um blog seu mas não encontrei pelo que deixo aqui o agradecimento por parte do Bruno e meu pelo comentário lindo que aqui fez.

Um dia destes farei um post sobre o Bruno para que novos amigos saibam um pouco mais sobrre ele e sua evolução.

Fará 16 anos no dia de S.Valentim mas tem uma inocência de um qgarotinho de 5 anitos...muito puro...muito inocente...sem ponta de maldade.
Ele é um Ser Cristal. e a sua missão de vida não foi nem será fácil mas é um lutador e vai conseguir com a ajuda de todos nós, vós...e dos que um dia virão.

Obrigada e beijinhos nossos

*Lisa_B* disse...

Queridas Eliane e Nely,
sabem já um pouco daquilo que o Bruno foi vivenciando e sofrendo mas hoje felizmente está em recuperação e a magia vai acontendenco assim em cada dia.
Obrigada às duas ,são lindas e sempre ao nosso lado nesta caminhada.

Beijinhos nossos.

Brancamar disse...

Mais uma das suas extraordinárias histórias Manuela, das mais lindas que li aqui,que me levaram à arte e ao mundo encantador do Bruno e que agora ao voltar do seu sítio de sol fiquei a conhecer melhor pelas palavras da Lisa B.
E tem razão, aquelas caixinhas têm vida, a vida com que são feitas, uma vida de amor.
Voltarei aqui e aos espaços do Bruno e da Lisa.
E fico também muito feliz por já não ser só eu a reclamar um livro de contos.Se o Bruno gostou, em toda a dimensão que o gostar tem para ele, então o que diria o Bruno e outros meninos se tivessem um livro inteirinho destes contos para ler?!
Beijinhos de boa noite, Manuela.
Branca

Dulce AC disse...

Lisa, Olá!

Esta história da Manuela, para o Bruno e também para Si para a família é mesmo muito bonita.

E conhecer e sabê-la para o seu filho tão querido também já por nós que por aqui vamos passando e lendo o que cada um vai deixando ficar, que o são momentos de vidas...e esta partilha é inigualável. Emocionamo-nos como aconteceu hoje ao ler tudo o que a Lisa escreveu. Porque o é aquela mãe que está lá presente, desculpe-me o paralelismo, mas presente como o castanheiro o está na história da Manuela..numa tão grande resistência que o é significativo sossego. É uma pessoa muito bonita Lisa. E acredite que o privilégio foi meu conhecer-Vos aqui pelas palavras que não enganam na sinceridade que delas e por elas ficamos desde logo ligados.
A vida nem sempre é fácil e nós por aqui vamo-nos entre-cruzando com as palavras e muitas vezes com algo mais:que o é já amizade pela cúmplicidade que entretanto vamos sentindo nascer.

Três abraçinhos.

Lisa, não tenho Blog..talvez um dia com mais tempo e sobretudo com mais calma o promova.

Por ora acompanho-Vos...e por isso todos os dias me sinto tão grata!

Obrigado Manuela por saber poder responder à Lisa aqui.

dulce ac

Eva Gonçalves disse...

Ainda estou a começar a ler este blogue... mas adorei a história das caixinha de chá. Também eu adoro caixinhas.Já percebi que é dedicada a um menino, que será especial, como é especial a imaginação que encontramos nestas páginas. São sempre as pessoas especiais que nos merecem especial atenção, e este blogue, é especial!
Beijinhos e um beijo também para o Bruno .

Graça Pereira disse...

Manela
Eu continuo a dizer que este lugar é mágico... Eu, por mim, levava a caixa de chá..as razões, já as sabes!
Outra razão poderosa:" a caixa com pacotinhos de chá frutado, fazem sonhar"... e eu, preciso tanto de sonhar!!
Um beijo amigo
Graça

Magia da Inês disse...

Oi, amiga!
Amei esse conto.
Bom fim de semana!
Beijinhos.
Itabira - Brasil

Jaime Latino Ferreira disse...

* LINDA B *


CLAVE DE SOL


Clave é uma chave
um anzol
um desenho
argonauta
um caracol
numa pauta
um torvelinho sem som
que ao Sol
soa
uma porta
uma janela de luz
saída de onde a pus


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 8 de Janeiro de 2010

manuela baptista disse...

Carlos

Seja bem vindo

e obrigada pelas palavras!

um abraço

Manuela

manuela baptista disse...

Eliane

minha fada!

Há quanto tempo!

beijinhos

Manuela

manuela baptista disse...

Dulce

as suas palavras

também me aquecem o coração!

Aqui no jardim também existe um castanheiro, o que não é muito normal nesta zona, mas as castanhas são horrorosas...

beijinhos

Manuela

manuela baptista disse...

Nely

eu também não conheço o Bruno, apenas sei que gostava de ler as minhas histórias...

Fico contente por ter gostado!

Um beijo

Manuela

manuela baptista disse...

Lisa

cada um de nós

viaja dentro e fora
dando nós

deixando sempre
uma estreita passagem
para a outra margem!

Beijos

Manuela

manuela baptista disse...

Branca

um dia depois da sua noite

sendo noite
agora também

digo-lhe

que me comovem sempre as suas palavras

sabendo eu que a chamam de tantos lados!

Por isso quando precisar

pode chamar por mim!

beijos

Manuela

PS e obrigada por acreditar no "livro"...

manuela baptista disse...

Eva

amiga de Alex!

obrigada por me considerar especial

volte sempre!

beijinhos

Manuela

manuela baptista disse...

Graça

então

aqui vai uma caixa de todas as cores

e de todos os sabores!

Uma boa noite sonhada

beijinhos

Manuela

manuela baptista disse...

Inês de Itabira!

Bom fim de semana par si também!

com montes de magia!!

beijinhos

Manuela

Gus disse...

Vim à procura da história do Bruno. Também como ele "eu gostei". Parabéns Manuela! Se por acaso um dia editar um livro gostaria de o saber. Adoro ler e as suas histórias têm cheiro a poesia e embalam-nos para um mundo mágico. Venham mais :)

Bjiñu

Contracena disse...

..., e foi hoje, num dia frio, mas com um SOL maravilhoso que me aqueceu a alma, que li este conto dedicado ao Bruno.
Fui logo ver, claro, e gostei tanto das caixas..., e as telas..., adorei. Logo que entrei no blogue e vi o cabeçalho, pensei: - quem será o autor? E afinal é o Bruno. E a caixinha com esse desenho no tampo acho que é a minha preferida, pelo menos nesta primeira vez que vi, mas tenho que voltar. Vale a pena.
Com simplicidade se fazem "coisas" belas.
E Jacek, não conheço este quadro.
E porque não Jacek? Na minha cabeça tem tudo a ver, também o título. Vocês são os "feiticeiros", cada um à sua maneira fazem com que a MAGIA aconteça.

Abraço Manuela.
Fátima.

Linda Simões disse...

Ai,ai!

Que responsabilidade!

Clave de Sol!


Beijinhos aos dois e obrigada pelo carinho...

Canduxa disse...

Fiquei simplesmente maravilhada, minha querida Manuela.
Li uma, duas e a terceira já a li com a minha caixinha de chá feita pelo Bruno.
Encanta-me olhar para ela, saber quem a fez e imaginar todo o seu mundo.
Com esta história tão encantadora parece que o mundo do Bruno é de facto mágico...acredito que seja mesmo!
E a Lisa é uma grande mulher.

O meu beijinho de luz e um sorriso para a pessoa especial que é.

Dulce AC disse...

Manuela...é uma previligiada também por tê-lo bem perto no seu jardim um castanheiro, mesmo que com más castanhas!

É uma árvore linda! De grande sossego...não é Manuela?!

Beijinhos são dois, já sabe...
e bom fim de semana!
E agora vou descansar dormir que é sábado, que bom!!

dulce ac

Mariana disse...

Valeu vir te visitar e ler este conto tão lindo.
Desejo-te que neste ano que está começando tu tenhas muitas inspirações, para nos presentear com belos textos.

. intemporal . disse...

.


. o Bruno,,, a Manuela . pintam.me os dias em maré alta .


. sendo a.penas ou tão somente a parte que falta .


. para viver junto à estrela mais alta .


. parabéns .m.a.n.u.e.l.a. .


. parabéns .b.r.u.n.o. .


. mesmo "piqueno" sinto.me grande junto de Vós .


. um bom fim de semana,,, .




. paulo .

.

manuela baptista disse...

Gus

grata pela viagem ao seu

e

ao meu mundo mágico!

um abraço

Manuela

manuela baptista disse...

Fátima

a caixa que aparece nas mãos do Bruno

para mim também é bonita.

Mas as mãos dele, são ainda mais bonitas!!

Quanto a Jacek, esta árvore não é dele eu é que baralhei as etiquetas das fotos...mas gosto muito da sua pintura,tem tudo a ver com quem gosta de feiticeiros.

beijos

Manuela

manuela baptista disse...

beijos Lindinha!!

Manuela

manuela baptista disse...

Canduxa

o seu beijinho especial e luminoso

chegou aqui inteirinho ao pé de mim!

beijinhos

Manuela

manuela baptista disse...

Dulce

e sábado já vai longo

mas amanhã é domingo e também pode dormir mais um pouco, ou não??

O castanheiro está agora todo depenado, até acho que tem frio...

beijinhos

Manuela

manuela baptista disse...

Mariana

e é preciso inspiração pode crer!

Às vezes parece mais fácil do que realmente é...

Beijinhos

Manuela

manuela baptista disse...

Olá piquenote! :))

aqui desta estrela baixinha

já sentia a sua falta...

por isso

as marés são recíprocas!

Vai uma caixinha para as torradas?

um beijo

Manuela

Maysha disse...

Ola Manuela
O seu conto para o meu amiguinho Bruno, está lindissimo, escrito com emoção e carinho.
Parecia-me ao ler, ver as caixinhas a conversarem umas com as outras, o seu conto parece real e ao mesmo tempo fez-me sorrir de emoção, parecia um regresso à infancia.
Parabens Manuela pela sua sensibilidade, voltarei sempre aqui, com imenso prazer.
Para si um beijo de luz
Isa

manuela baptista disse...

Maysha

seja bem vinda e

obrigada pelas palavras!

Um abraço

Manuela

*Lisa_B* disse...

Querida Manuela,
permita-me agradecer a todos quantos elogiaram e deram os parabéns pelo trabalho do Bruno.

São todos pessoas maravilhosas que vim aqui descobrir pela mão e palavras da Manuela. Muito obrigada em nome do Bruno que aqui ao meu lado ainda sorri e vai sonhando...

Não é fácil escrever sobre quem quase nada se conhece e por isso que ficou tudo tão mágico e belo porque teve de imaginar a vida do Bruno e desenhar todo o conto em cima desse imaginário, construíndo cada cenário, cada palavra que o iria preencher...não é mesmo nada fácil mas a Manuela conseguiu isso na perfeição.

Agradeço uma vez mais à escritora que não devia passar mais tempo sem dar o prazer que todos possam ter um livro seu e ler estas belas histórias aos filhos, netos..em noites frias como a de hoje em que palavras assim chegam ao coração e dão o calor que lá faz falta.

Obrigada a todos pelos comentários e visitas ao meu blog Ser Cristal e a minha arte nasceu por amor. Sejam bem vindos sempre.

Beijinhos nossos para todos.

Jaime Latino Ferreira disse...

O calor que faz falta
encheu-me da vontade de ir mais longe


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 10 de Janeiro de 2010

Fabiana disse...

Querida Manuuuu, saudade grande de vc!
Que neste 2010 colha bons frutos de tua caminhada sábia e cheia de doçura que nos encanta.
Que vivas o melhor!
Grande abraço, com muito carinho!
Bia.

O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada. Caminhando e semeando, no fim terás o que colher.

Cora Coralina

manuela baptista disse...

Lisa B

quem agradece sou eu!!

até sempre

beijos

Manuela

manuela baptista disse...

Jaime

então vamos lá mais longe!

Manuela

manuela baptista disse...

Biaaaaaaaaaaaaaaaaa!!

que saudades de cena!!

obrigada pelos teus desejos

que faço meus.

Caminhemos então!

um abraço muito apertado

Manu(ela)

Maria Emília disse...

Que maneira tão bonita de apresentar o Bruno e as suas caixinhas. A sua ternura comoveu-me. O Bruno merece-o.
Um grande beijinho,
Manuela

manuela baptista disse...

Maria Emília

a vida do Bruno é comovente!

obrigada

beijinhos

Manuela