arco e flecha









Apanhou bagas vermelhas, outras de zimbro, sementes de girassol, algumas avelãs. Ao longe a voz da mãe chamava e ela já não reconhecia a mãe, a voz e a distância entre as três. Num canto escondido do jardim há sempre um animal ferido à nossa espera.
E para espantar a tarde escura, fez um colar de bagas venenosas presas num fio fino de tecer insónias e coseu-as, devagar, enquanto a chuva acordava as rãs. 













8 comentários:

Jaime Latino Ferreira disse...

MANUELA BAPTISTA



e o animal ferido estrebuchava
num sono fecundo de bagas
que às rãs as acordava



Jaime Latino Ferreira
Estoril, 14 de Outubro de 2016

Graça Pires disse...

A noite por um fio. A chuva e as rãs deslizando em surdina até ao fundo do jardim. A mãe à espera de ter outra voz...
Muito belo o teu texto, Manuela.
Um beijo.

Majo Dutra disse...

Imaginado com singular criatividade...
Beijinho, Manuela.
~~~~~~~~~~~

Luis Alves da Costa disse...

Um dia ficam estas coisas escritas, oclusas, com a única chave da sua verdade nas pegadas do olhar. Nem todos os dias são faustos, e deve o espírito de amazona tender o arco e disparar cores de zimbro pelas flechas do ar.
Tudo é fauno
e cítara

. intemporal . disse...

.

.

. belíssimo . e repleto de significado .

.

. íssimo . de um "animal ferido" . :) .

.

.

Beatriz disse...

Foi fácil me transportar a este jardim, olhando os pequenos animais se escondendo da chuva... dias brandos assim - preciso deles!!!

Beijinhos Manuela

Bia <º(((<

Agostinho disse...

Quando as circunstâncias se armam de arco e flecha há porventura uma personagem supranumeraria que vai se diluindo na memória. Por isso, para isso, os preparativos prévios da luta - para a sobrevivência e a morte. Depois, é uma questão se sorte.

Andei perdido no veneno das bagas mas puseram-me a mão no coração. E aqui estou quase em bom estado de conservação sustentado a zimbros e avelãs.

Bj, Manuela.

Rita Freitas disse...

Seria um jardim encantado, não fossem as insónias :)

Bjs e bom fim de semana